terça-feira, 28 de julho de 2020

Feitiços de bruxas

     Embora tenha havido um enorme excesso durante a Inquisição da Igreja Católica na caça às bruxas, onde milhares de mulheres inocentes foram mortas, existiram de fato bruxas que faziam tudo de que eram acusadas, como pactos com o demônio, feitiços para o mal, comer crianças, etc. 
     

     Já nos deparamos com inúmeros casos, as médiuns que trabalham em nosso grupo todas foram bruxas do mal, em várias vidas inclusive, e recentemente nos deparamos com um caso interessante. Tratando uma mulher, que vou chamar de Matilda, que está com uma dor no peito, sem diagnóstico médico mas que não passa, descobrimos que a causa tinha a ver com a mãe dela, com a qual sempre teve um relacionamento difícil.
     Descobrimos que a mãe de Matilda foi uma bruxa muito poderosa nos idos dos anos 1200 na Europa. Era uma mulher muito forte e determinada, vivia só e teve duas filhas a quem ensinou os segredos da magia. Na verdade ele teve também dois filhos homens, que ela sacrificou logo após o nascimento. Ele exigia total obediência das filhas, queria ser reverenciada por elas, e era muito severa.
    Mas as filhas cresceram e sentiram o chamado da natureza, se interessaram por homens, queriam se casar, mas a bruxa mãe não queria isso. Elas se rebelaram, insistiram, e ela aceitou receber os rapazes na casa dela, não sem antes fazer feitiços para adoçá-los. A bruxa mãe preparou um jantar para que as filhas lhe apresentassem os pretendentes e esta foi a última refeição deles, pois ela os envenenou e os dois morreram. A partir daí as duas irmãs decidiram que iriam dar um fim na própria mãe, pois caso contrário nunca teriam a vida que queriam.
     O tempo passou e as duas foram obedientes e pacientes enquanto preparavam a desforra, até que prepararam uma poção que deram para a bruxa mãe beber um dia, ela ficou zonza, e então foi colocada sobre o altar onde fazia os sacrifícios, teve seu coração arrancado do peito, que as irmãs comeram para absorver sua força, e fizeram um feitiço para bloquear a vidência que ela tinha.
    Depois disso o corpo dela foi todo amarrado com tiras enfeitiçadas como uma múmia e ela foi enterrada com a pedra do altar por cima, para que ficasse eternamente presa. Após sua morte o próprio ser que a ajudava nos feitiços a aprisionou e a mantinha exposta no local onde ele vivia.
     Esse ser tinha a forma de um dragão clássico, com asas, rabo e cuspindo fogo, e está sem reencarnar há mais de um milênio. Ele vivia na região da Escandinávia e mantinha presos 97 bruxas/os desencarnados que tiveram ligação com ele, encarnados ele tinha 305. Fizemos o dragão retornar a sua forma humana, ele foi preso e libertamos os bruxos ligados a ele.
    Mas naquela vida a bruxa mãe, mesmo zonza após ser dopada pelas filhas, percebeu o que elas iriam fazer e fez um contrafeitiço para que ela se lembrasse da traição das filhas.
     Na vida atual a bruxa mãe é novamente mãe das mesmas filhas que a mataram, sobre ele ainda age o feitiço que elas fizeram para que ela não tenha vidência, ela tem mediunidade mas não gosta disso e nem desenvolveu, mas ao mesmo tempo no astral ela lembra da traição das filhas e as estava atacando. 
    A dor no peito de Matilda era porque no astral a mãe estava lhe abrindo o peito com uma faca para fazer com ela o mesmo ritual em que a mataram. Para piorar a situação Matilda faz práticas de pedir perdão para a mãe, acaba se desdobrando e se ajoelhando na frente da mãe, que literalmente pisa em seu pescoço e lhe ataca com a faca abrindo o peito da filha.
     Então temos o feitiço das filhas bloqueando a mediunidade da mãe no físico, a mãe presa na frequência de bruxa mãe parecendo uma múmia, e a mãe desdobrada na frequência atual lembrando do que as filhas lhe fizeram na outra vida, prendendo as duas e querendo abrir o peito de uma delas.
     Tanto o feitiço das filhas quanto o contrafeitiço da mãe estavam ativos mesmo após 800 anos, arquepadias, feitiços de bruxas. Desmanchamos os feitiços e fechamos a frequência que estava aberta.

Gelson Celistre





Nenhum comentário:

Postar um comentário