quarta-feira, 30 de junho de 2010

O prostíbulo

Este consulente já havia sido atendido por nós em julho/2009 (http://apometriauniversalista.blogspot.com/2009/07/teias-do-destino-suicidio-assassinato.html) e retornou desta vez por estar se sentindo mal, não estar conseguindo dormir e tbm afirma sentir-se fraco e sem ânimo. Na conversa inicial relatou que ultimamente vinha pensando muito no pai falecido, comentou que logo após a morte do pai ele tinha sonhos onde se via brigando com ele e que este 'retirava' um dos braços e lhe agredia com ele. Afirmou que o pai quebrara um dos braços quando vivo e que se aponsentara por invalidez e era esse braço que ele retirava de si e usava para agredir o filho.


O consulente afirmou que 'se davam' e que até o visitava quando era vivo mas que ha adolescência tiveram uma briga e se afastaram, o pai bebia e chegava bêbado em casa quebrando tudo e batendo na esposa, sendo que numa dessas o consulente, na ocasião com uns 16 anos, interviu e agarrou o pai e o atirou em cima da cama, não ocorrendo algo pior por conta da mãe que intercedeu em favor do marido. Desde então ele passou a morar com os avós e as relações entre eles não foram as mais amistosas. Nos disse tbm que às vezes quando seu próprio filho chega perto dele, sente uma irritação inexplicada.
Após terminar de relatar sua situação, logo incorporou o pai falecido dele, que afirmou estar com raiva dele, mas que no fundo percebemos se tratar de uma mágoa.
Desobrimos que numa vida passada ambos eram amigos e bebiam juntos quando se desentenderam por algum motivo qualquer e passaram a discutir e brigar. O consulente, utilizando um pedaço de pau, espancou o amigo bêbado, tendo-o deixado aleijado de um braço (o mesmo que ele quebrou na última existência onde era pai do consulente). Reclamou que o filho não o respeitara e novamente, aproveitando-se de sua embriaguez, o jogara sobre a cama (referiu-se a briga que teve com o filho quando era vivo e que foi o episódio que criou no inconsciente dele uma ressonância com aquela vida passada).
Conversamos e o fizemos ver que ele tbm não agira corretamente, pois bebia e se descontrolava em casa. Era uma pessoa com dificuldade de expressar seus sentimentos e não conseguiu dizer abertamente que gostava do filho, dizia "qual é o pai que não gosta do filho", "ele era meu filho" ' a gente antigamente não era de falar essas coisas", etc. Enfim, não era uma pessoa má e nem queria abertamente o mal do filho, era um homem rude apenas. Nos disse que ia às vezes visitar o neto pq 'gostava do guri' e não sabia que com isso prejudicava o filho. Na realidade não o fazia mesmo, apenas o filho lhe detectava a presença inconscientemente e se irritava, pq tbm não conseguiu perdoar o pai.
Convidei o espírito a ficar conosco em nosso hospital, onde seria auxiliado a recomeçar sua jornada, mas ele tinha medo pq lá onde ele vivia, um local de baixíssima vibração, com várias cavernas cheia de seres imundos que após os temos resgatado o teto ruiu, lhe disseram que se ele fosse 'para a luz' seria queimado, pq não merecia ajuda. Argumentei com ele que o fato de estar ali significava que tinha sim o merecimento e que não seria 'queimado'. Foi mostrado a ele que para o local onde ele iria lá estava sua esposa tbm falecida e ele aceitou ir sem problemas. Essa situação de inimigos nascerem como pai e filho é muito comum e mesmo não havendo a recordação dos fatos passados, os sentimentos nos acompanham vida após vida.
Mas isso não era o problema maior do consulente. Pedi aos médiuns para verificarem para onde ele ia durante o sono ou nos desdobramentos inconscientes e uma das médiuns o viu num desses momentos em que deixava o corpo. Ele dirigiu-se para um local onde havia um jardim com um belo chafariz, em frente a uma casa enorme, com colunas ao estido grego na entrada, um bordel no astral, onde ocorriam orgias memoráveis. No andar de cima desse prostíbulo de luxo, a situação era bem diferente, as paredes eram todas manchadas de sangue e o local, segundo a médium, parecia um açougue, com seres arrancando pedaços dos corpos de outros, e coisas afins, onde a vampirização atingia níveis medonhos.
Havia uma sala no porão (sempre tem um porão!) onde eram feitos os abortos, pois era comum as 'moças' engravidarem dos clientes e assim que tiravam os fetos, os que ainda estivessem vivos, eram mortos na hora. Havia uma entidade desencarnada que controlava o local, à qual eu apaguei a mente. Esta entidade controlava a esposa do consulente que, em desdobramento inconsciente, 'dirigia' o prostíbulo. Após eu ter apagado a mente do ser que controlava tudo ela ficou no ambiente desdobrada e como se tivesse acordado de um transe. Apagamos sua memória desses fatos e a enviamos de volta ao corpo. Todos os seres que se encontravam no prostíbulo foram recolhidos e o local foi destruído.
O corpo do consulente e do seu filho estavam cheios de um tipo de gelatina grudada, algo que parecia uma medusa, onde os finos tentáculos penetravam no corpo astral deles. No consulente estas medusas estavam já se infiltrando nos pulmões dele. Foi muito trabalhoso retirá-las mas solicitei a todos que enviassêmos energia conjuntamente a fim de elevar o padrão vibratório deles a fim de facilitar a retirada, o que funcionou.
A casa do consulente estava muito 'suja' energeticamente e foi recomendado que ele a lavasse por 12 sextas-feiras com anil, e depois que varesse as paredes com uma 'vassoura verde', uma vassoura feita com galhos de plantas, e tbm que fizesse o evangelho no lar. A melhora definitiva somente com a evangelização.


Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário