domingo, 20 de junho de 2010

O bordel de Dinorah

A consulente, uma mulher de 44 anos, terminou um relacionamento há uns dois anos e não consegue esquecer o parceiro, diz que começa a pensar nele 'do nada' durante o dia e acorda às vezes à noite pensando nele; diz que tem tido casos de suores noturnos, quando acorda completamente molhada, chegando a encharcar a roupa de cama.
Inicialmente identificamos um espírito feminino com ela, a mulher dizia que estava "com o homem" (o ex-namorado) mas que quando ele e a consulente passaram a namorar ela 'resolveu' ficar com ela, pois disse que ele era muito "chato".  Conversamos com este ser e por fim acabamos descobrindo a ligaçao do trio no passado.
Ambas eram prostitutas, a consulente e esta outra mulher desencarnada que atualmente a obsidiava, que vamos chamar de Dinorah, apesar de já ser meio veterana tinha um cliente muito bom e que lhe pagava muito bem por seus servi;os. Ocorre que a consulente, sendo mais jovem e com mais atributos, acabou "roubando" o cliente de Dinorah. O cliente é o ex-namorado da consulente e o motivo de Dinorah ter ficado com ela foi para se vingar pelo ocorrido nessa vida passada onde ambas eram prostitutas.
O bordel de Dinorah ainda existe no astral e o ex-namorado da consulente ainda é freguês assíduo. Locais como esse são comuns nas regiões umbralinas e aqui mesmo na crosta terrestre pois a maioria de nós ainda não consegue dominar suas paixões e o sexo é um atrativo muito forte. Nesses locais ocorrem processos de vampirização e entidades malignas por vezes aproveitam a frequência de suas vítimas a esses locais para efetuar implantes de chips e outras engenhocas com finalidades menos nobres.
Conversamos com Dinorah e a convidamos a abandonar essa vida luxuriosa pois ela não nos pareceu obstinadamente má, apenas meio perdida e ignorante.
Dinorah é uma mulher alegre e descontraída e sua maior preocupação não era com o destino da consulente, o que demonstra que não lhe tinha um sentimento forte de ódio, mas sim em saber se no local para onde iria, caso aceitasse nossa oferta, ela poderia fazer sexo. Oferecemos às outras "moças"do bordel a mesma opção e a preocupação de todas era a mesma, se lá poderiam fazer sexo. São espíritos viciados em sexo e "vivem"unicamente para satisfazer esse desejo. Apenas quatro colegas de Dinorah aceitaram nossa ajuda, por eu ter lhes dito que lá tbm poderiam manter relações com outros espíritos, com moderação e não da mesma maneira como estavam habituadas a fazer. Após "desincorporar"da médium Dinorah gritou para as que ficaram: "- Lá a gente tbm pode 'fazer'...".
Dinorah enquanto estava com a consulente a levava para o bordel a fim de fazê-la se encontrar com o ex-namorado (em desdobramento). Os suores noturnos que a consulente tinha eram pq ela sentia a presença da ex-colega e sabia que ela o levaria para encontros sexuais com o 'ex' e não queria isso. A força que ela fazia para não deixar o corpo físico era tão grande que lhe provocava suor.
A mediunidade intuitiva provoca algumas situações interessantes às vezes. As médiuns nada mais 'viam' mas eu sabia que havia uma bruxa com a consulente. Perguntei a elas qual iria receber a bruxa que estava junto com a consulente e me questionaram como eu sabia que tinha alguma bruxa com ela, já que ninguém a estava captando. A resposta é complicada pq vc apenas sabe.
Pedi que se concentrassem na consulente para tentar captar a tal bruxa e logo uma das médiuns incorporou a visitante oculta. Em uma existência remota, a consulente era assistente dessa bruxa, era uma  aprendiz de feticeira, e atualmente ainda a assistia em desdobramento. Fora ela quem providenciara o reencontro da consulente com seu antigo cliente e com sua ex-colega de bordel, a fim de conseguir acessá-la e lhe subtrair as energias vitais.
Naquela vida a consulente arrependeu-se das atividades vis e criminosas perpetradas por sua mestra feiticeira, que fazia feitiços para todas as finalidades, mortes, vinganças, etc., e a denunciou às autoridades da vila. A velha bruxa foi apedrejada até a morte, tendo ficado inclusive com o rosto desfigurado, sem parte da face esquerda. Era um ser entronizado no mal, consciente das consequências de seus atos e não quiz saber de mudar seus hábitos. Efetuamos uma breve incursão no local onde ela habita, libertamos e resgatamos vários seres que ela mantinha escravizados, e a deixamos ir embora.
A consulente deve melhorar pq era através da sua colega de prostíbulo que a bruxa conseguia lhe acessar e essa foi resgatada. O bordel de Dinorah ainda existe e é provável que seu ex-namorado ainda vá lá em desdobramento, mas sem a intermediação de Dinorah não conseguirá se 'encontrar' com a consulente pois ela no íntimo não o quer. A sua antiga patroa, a bruxa, está livre mas deve deixar a consulente em paz pois perdeu seu elo de ligação (Dinorah) e estava com medo que nossa ação sobre ela fosse mais coercitiva e que a prendêssemos. Mas vai depender tbm dos pensamentos da consulente e de seus sentimentos.
Abraço.

Gelson Celistre.

4 comentários:

  1. Esse é um dos meus maiores medos de dormir e ir para um lugar desses. Até pq pelo pouco q sei o corpo astral não respeita livre arbítrio. Um dos maiores problemas q enfrento na minha evolução é o sexo. Uma vez li num livro de Ramatís q o sexo é o maior problema q o medium há de vencer.

    ResponderExcluir
  2. Pois é, a energia sexual é a mais forte que temos e a que mais nos liga aos instintos primitivos, não é fácil domá-la e só conseguimos isso geralmente após chafurdarmos na lama por muitos milênios.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Gerson

    Tu tens conhecimento de tecnicas de sublimação dessa energia. Sabe se são eficazes??

    ResponderExcluir
  4. Oi,

    Penso que no nosso grau evolutivo ainda é cedo para se pensar em sublimação. O melhor é utilizarmos essa energia com bom senso, constituir uma família e ter filhos. É o melhor para o nosso crescimento espiritual.
    Abraço.

    ResponderExcluir