domingo, 13 de fevereiro de 2011

A morte como ela é (reencarnação)

Recentemente em nosso grupo de discussão no Yahoo discutimos sobre a questão da reencarnação e este relato vem bem ao encontro do que conversamos. Muitos espíritas/espiritualistas acreditam que todas as pessoas antes de nascer escolhem quem serão seus pais, em que país vai nascer, que tipo de situações (karma) irão enfrentar, etc.  Acredito que essas idéias são devidas à uma leitura superficial das obras espíritas kardequianas e talvez reforçada pela leitura de certos romances espíritas mais comprometidos com o sucesso literário do que com a verdade dos fatos. A bandeira que todos levantam é a do livre-arbítrio.

O que temos visto em vários anos de trabalho em nossas reuniões mediúnicas no resgate de espíritos sofredores, e tbm em regressões a vidas passadas, é que a maioria das pessoas morre e renasce pelos mecanismos automáticos da Lei, sem passar por nenhum "ministério da reencarnação" ou coisa parecida. A grande maioria inclusive nem chega a ser resgatada depois de morta, isto é, não vão para nenhuma colônia tipo "Nosso lar" ou similar. O suposto "mentor" da pessoa também não aparece para ela depois de morta.
Então como se processa a reencarnação desses espíritos? Vamos começar com os casos mais comuns.

A pessoa morre de alguma doença qualquer, já na terceira idade. Não se dá conta de que morreu e fica vivendo junto com seus familiares ou onde vivia antes de morrer. Acaba sendo atraído por afinidade energética e renasce na mesma família ou na de algum amigo mais próximo. Não perceber que morreu e acreditar que ainda vive no mesmo mundo é o caso mais comum.

Quando atendemos esses espíritos, geralmente estão irritados com os familiares pq estes não lhes escutam (não respondem o que ele lhes pergunta) e nem lhe dão atenção, acreditando que o estão ignorando. Nesses casos, nós encaminhamos esse espírito para nossa equipe espiritual, nesse caso sim ocorre um resgate, e ele vai ser levado para um local no astral compatível com suas necessidades e possibilidades. 
Geralmente o espírito vai para o posto de socorro ou hospital e depois vai para uma cidade no astral (colônia) até se recuperar e lhe arrumarem outro nascimento.

Quando chega a hora de renascer o espírito é chamado e lhe informam que vai ter que renascer, sem lhe dar opção de escolher onde, como ou quando. Estas cidades ou colônias no astral tem uma capacidade de carga, um número de almas por assim dizer, que podem suportar. À medida que novos espíritos são resgatados é preciso que se mantenha o equilíbrio e alguns que estão lá tem que sair. Isso se deve pelo fato de que a grande maioria está ali "de favor", ou seja, pela sua própria energia não poderiam estar ali pois o peso específico de seu perispírito os situa na crosta da Terra ou no Umbral. Esse é o motivo básico de terem ficado por aqui após a morte.

Em alguns casos a pessoa se dá conta de que morreu, mas como não tem para onde ir fca por aqui mesmo. Se tiver algum vício ou desejo forte, vai acabar indo procurar saciá-lo, mesmo inconscientemente. Assim, se ele é viciado em álcool, drogas, sexo, etc., vai ser atraído a locais onde existe esse tipo de energia que o atrai. Nessas situações tbm pode acabar sendo atraído para renascimento na família de quem ele está usando para saciar seu vício. Por exemplo, se ele gosta de beber e acabou se aproximando de algum bêbado ou alguma pessoa que costuma beber em algum bar, pode nascer na família dessa pessoa.

Em casos de morte violenta, um assassinato por exemplo, é comum o espírito que morreu ter consciência de quem o matou e de ficar obsidiando esta pessoa. Tbm é comum nesses casos nascer como filho dessa pessoa. Muitas vezes entretanto tbm não se dão conta de seu estado e ficam vagando por aí num estado semi-consciente, revivendo o momento de sua morte, sem entender o que aconteceu. Em casos de mortes por acidente tbm é comum não se darem conta do que houve e pensarem que estão vivos. Imaginam que se machucaram, sentem dor, mas acham que estão vivos.

Para não me alongar muito, vou citar dois atendimentos recentes onde aparecem duas situações bem distintas. No primeiro a consulente, espírita há décadas, nos procurou por estar sentindo dores e mal estar, fraqueza, etc. Seu marido, que tbm era espírita, morreu há cerca de sete meses. A presença dele era evidente, ainda mais pq ele morreu de câncer, e era ela quem cuidava dele. Nesse caso o espírito sabia que estava morto mas achava que não era "a hora dele"e não queria sair de casa.

Conversamos com ele e não conseguimos convencê-lo de que estava fazendo mal à própria esposa pois estava passando pra ela toda sua energia doente. Optamos por fazê-lo adormecer e nossa equipe espiritual o levou para o hospital, onde depois ele seria esclarecido do que ele estava provocando na mulher. Ela foi orientada a conversar com ele mentalmente e tentar convencê-lo a permanecer no hospital. É interessante aqui abordarmos uma questão.

É comum quem é espírita acreditar que basta fazer um "evangelho no lar" ou uma oração para que algum espírito seja "encaminhado". A consulente, que inclusive é professora de desenvolvimento mediúnico no centro onde frequenta, tinha essa idéia, de que já o havia encaminhado ou que ela o tivesse 'puxado' para perto de si, quando na realidade ele nunca saiu de casa.

Outro atendimento recente que fizemos foi de um homem que morreu num acidente de motocicleta e era primo de uma das médiuns. Fomos verificar em que situação ele se encontrava e uma das médiuns o viu deitado numa espécie de caixão transparente. Disseram a ela que ele estava sendo mantido ali até se acalmar, pois se o deixassem livre ele iria para o "vale dos suicidas" pq sua morte na motocicleta era considerada suicídio, por ser muito perigoso andar de motocicleta.

Se isso fosse dito dentro de um centro espírita provavelmente aceitariam como fato real. A médium não sentiu nada de negativo, o ambiente era limpo e claro. Entretanto, percebi que era um embuste e pedi aos outros médiuns que entrassem na frequência tbm para verificarmos do que se tratava.  Na verdade se tratava de um laboratório trevoso, um prédio de vários andares, e o falecido primo da médium estava num andar junto com centenas de outras vítimas de acidentes de trânsito.

Como nesse tipo de morte repentina o espírito ainda está com muito fluído vital (ectoplasma) as entidades trevosas que dirigiam o local os resgatavam e os mantinham numa espécie de animação, para irem sugando seu ectoplasma. Depois de devitalizados totalmente, provavelmente seriam utilizados por outras entidades malignas para finalidades menos nobres, como vampirização de encarnados, para provocar doenças, etc.
São apenas dois exemplos comuns e lendo nossos posts vcs irão encontrar inúmeros outros semelhantes.

Está na hora de amadurecermos espiritualmente e pararmos de acreditar em tudo que dizem ou falam sobre o mundo espiritual sem uma reflexão profunda. Usemos nossa mente para analisar, comparar e questionar toda informação que nos chega. É por isso que preferimos passar nossa experiência através de relatos, pois assim as pessoas podem ler e analisar, comparar com outras informações e formar um juízo de valor.
Abraço.

Gelson Celistre.

3 comentários:

  1. Eu me recordo de quando reencarnei. Estava em um local de uma paz enorme, e um mentor conversava comigo.

    ResponderExcluir
  2. Oi Chico,

    As pessoas tendem a associar os fatos aos conceitos que carregam. Nesse caso poderia ser qualquer espírito conversando com vc no local onde estava e vc interpreta agora como sendo um mentor, pois é o que mais se parece com a figura que viu dentro do que vc conhece.
    Poderia ser até um espírito amigo de vida passada ou outro que estivesse tbm aguardando o nscimento.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Eu li em alguns livros espíritas, que de fato alguns espíritos pedem para nascer em determinadas famílias, casar com determinada pessoa, etc, mas, pelo que entendi, não são todos que tem este mérito.

    ResponderExcluir