quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Relações de vidas passadas

Recetemente atendemos duas pessoas, mãe e filha, que vieram do Nordeste do Brasil para se consultar conosco. Mãe e filha vivem um certo conflito de gerações, onde valores diferentes se chocam no relacionamento do dia-a-dia, gerando pequenos atritos. A filha é adotiva e vive com o pai, pois eles estão separados. A diferença de personalidade tbm é acentuada e ambas não se afinizam tão bem quanto seria o ideal, mas nada que eu considere anormal. São conflitos normais na situação em que elas vivem.

Inicialmente identificamos uma vida passada de ambas, onde eram igualmente mãe e filha (biológica). Naquela existência vimos um casal com dois filhos, a menina era mais velha e havia um garoto que era o caçula. Ocorre que por uma fatalidade o garoto veio a falecer e a mãe teve um surto psicótico em função disso, ficando vários anos "fora da casinha".

Nesse meio tempo o marido dela teve que assumir a direção da casa e cuidar da filha, o que criou um laço muito forte entre eles. Quando a mulher finalmente voltou à realidade, ela se sentiu excluída dentro da própria casa, pois a filha crescera e a família se estruturara sem ela. Como na vida atual se reencontraram os mesmos espíritos (o ex-marido atual era o marido naquela vida), embora com algumas diferenças (a filha atualmente é adotada, embora seja o mesmo espírito) numa situação semelhante (a consulente perdeu um filho no parto), havia uma ressonância de vida passada envolvendo esse grupo familiar.

O ex-marido da consulente apareceu em desdobramento querendo impedir que ela chegasse perto da filha pq acha que ela faz mal para a filha (psicologicamente) e verificamos que em uma outra existência ambos eram homens (a consulente e o ex-marido) e disputaram o amor da mesma mulher (a filha adotiva atual).

Ao rastrear mais a fundo a frequência da filha, que a princípio estava meio fechada pois estava ali apenas pq a mãe queria, conseguimos captar um ser que afirmava que jamais permiritia que elas "se unissem novamente" para lhe matar e que faria de tudo para que elas nunca se dessem bem.

Em uma vida passada nossas consulentes, mãe e filha, eram irmãs e mataram a própria mãe, que era este ser que ali se manifestava. Descobrimos que esta mulher era viúva e criava as filhas com um certo rigor, normal para a época histórica em que viviam, mas elas acabaram se cansando do que consideravam maus tratos e a mataram.

Buscando as causas de tal acontecimento, fomos remetidos à vida anterior onde as consulentes eram negras escravas e eram as "prediletas" de seu Senhor. Este espírito que fora mãe delas e que elas mataram era então naquela vida esposa do tal Senhor dono dos escravos. Enciumada pelo fato delas "dormirem com ele" e por serem, segundo este espírito, petulantes, ela mandou açoitá-las até a morte no tronco.

Este ser que tinha muito ódio da consulente na vida atual é mãe do ex-marido dela, ou seja, é a ex-sogra da consulente. Ela se manifestou ali em desdobramento inconsciente. Para complicar mais a situação essa senhora, aqui no plano físico mesmo, fez um trabalho de macumba chamado de "troca de vida" quando a consulente filha era pequena, a fim de que ela morresse em favor de um outra criança, que ela queria que fosse adotada pelo seu filho.

A consulente mãe foi a vários lugares para saber coisas sobre sua vida, pessoas que jogam cartas, espíritas diversos, etc. e num desses, onde segundo ela a pessoa era de confiança pq não cobrava nada, acabamos puxando o espírito que trabalhava com essa mulher a fim de esclarecer a consulente sobre alguns fatos.

É muito comum pessoas que fazem trabalhos para isto ou aquilo, se dizendo umbandistas, candomblecistas, espíritas, etc., afirmarem que "fizeram um trabalho' contra a pessoa que as procura e que precisam desmanchar. Afirmam que é necessário essa pessoa fazer um trabalho para desmanchar aquele que foi feito para o mal dela pq é isso que está emperrando a vida da pessoa ou lhe prejudicando de alguma maneira.

É comum tbm esse tipo de espírita "não cobrar nada", afirmar que faz aquilo por caridade, e cobrar apenas os materiais que vai precisar usar no trabalho de desmanche. É claro que é nesses materias que a criatura tira o seu lucro pois pede uma quantia muito superior à que de fato vai utlizar para comprar meia dúzia de porcarias, cujo ingrediente principal costuma ser uma garrafa de cachaça. Para vcs terem uma idéia, há alguns anos atrás quando a consulente mandou fazer esse trabalho de desmanche, gratuito, onde a mulher lhe cobrou apenas os materiais que iria utilizar, ela gastou em torno de R$ 500,00.

Esta história de não cobrar pelo atendimento, apenas pelos materias que vai utilizar no trabalho, foi uma grande sacada dos pilantras pois assim a pessoa cai no "conto da caridade" (ela é pessoa boa pq não cobra nada) e não se sente constrangida por ter "pago para fazer um trabalho". Na mente ingênua dessas pessoas elas não fizeram trabalho nenhum "para o mal" dos outros, apenas estão desfazendo o que fizeram contra ela. Na prática além de não desmanchar nada (nos raros casos onde realmente tinha alguma coisa) ainda pioram a situação pois se unem a espíritos de baixa vibração, com os quais contraem uma dívida que vai muito além do dinheiro que pagaram.

Como a consulente, diante de seu "forte" argumento (a mulher não cobra nada) afirmava que a pessoa era honesta e de confiança, e que inclusive nesse tal trabalho de desmanche teria feito o trabalho em 18 (dezoito) encruzilhadas, resolvi puxar o espírito que trabalhava com a tal mulher para bater um papo. A criatura já chegou dando gargalhada e se vangloriando de que não tinha desmanchado coisa alguma e que se paga muito mais para desfazer do que para fazer (lógico pq mesmo não tendo trabalho algum dizem a pessoa que tem e a convencem a fazer um trabalho de desmanche).

O espírito falou algumas coisas sobre os tais trabalhos de encruzilhadas, dizendo que o "cavalo" dele faz numa mesma encruzilhada e numa mesma noite, um trabalho que equivale e vários, pois se era pra tomar um gole de cachaça em cada encruzilhada ela bebe uma garrafa inteira e por aí vai. Conversando um pouco com esse ser ele afirmou que quando vivo fazia a mesma coisa, era "espírita de terreiro" e trabalhava com algumas entidades e fazia esses trabalhos pagos. Depois de morto descobriu o embuste e disse que a princípio ficou meio revoltado mas como não tinha mais o que fazer arrumou um "cavalo" pra ele e começou a fazer o mesmo.

Naquela e em outra consulta que fez com outra pessoa do mesmo tipo, lhe disseram algo que ela tomou como verdadeiro e que influenciou diretamente nos sentimentos que nutre pelo ex-marido, e que descobrimos ser mentira. Que sriva de alerta aos "curiosos" que vão atrás de cartomantes e similares para saber que a verdade é o que menos interessa a esses seres, mas sim dizer coisas que vão te impressionar e que geralmente tem a ver com aquilo que vc pensa no seu íntimo, ou seja, eles te dizem o que vc quer ouvir ou alguma coisa que "te dê razão" sobre algum fato do qual vc tem uma opinião formada.

Um fato curioso ocorrido e que demonstra a não-casualidade dos fatos que vivenciamos é que uma das médiuns durante o atendimento sentiu muita simpatia pela consulente filha e chegou a ficar emocionada. Na existência onde a consulente mãe ficara meio perturbada com a morte do filho, a médium era babá na casa e ajudou a criar a consulente filha, tendo uma ligação emocional muito forte com ela. A médium relembrou com muita nitidez vários momentos daquela encarnação, inclusive quando a consulente mãe brigava com a filha e esta corria para se refugiar atrás de sua saia.

Este tipo de situação onde temos relações complexas de vidas passadas com várias pessoas ao nosso redor é muito comum. Carregamos sentimentos conflitantes às vezes por uma mesma pessoa, oriundos de diferentes existências onde convivemos com ela e onde atuamos em papéis diferentes, podendo termos sido irmãos, pais e filhos, companheiros, amigos, inimigos, etc. Aprender a lidar com nossos sentimentos e transformar os negativos em positivos é a finalidade de a vida nos unir a essas pessoas.


Gelson Celistre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário