quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Mãe adotiva

Uma situação muito comum é a de mulheres com um desejo muito forte de serem mães, mas que por algum motivo não conseguem engravidar. Às vezes a medicina nada encontra de errado com a mulher ou seu parceiro, mas mesmo assim ocorre a infertilidade e muitas das vezes tbm nem com tratamentos a mulher consegue engravidar.




Nessa situação muitas partem para a adoção. E tbm é comum depois de adotarem essas mulheres ficarem grávidas. A causa? Merecimento. A grande maioria dessas mulheres foi prostituta e fez inúmeros abortos, ou então fazia abortos em outras mulheres, ou eram cafetinas e obrigavam suas garotas a abortar, enfim, existem inúmeras situações que podem provocar a infertilidade de uma encarnação a outra, essas que citei são as causas mais comuns.

Em casos como esses, geralmente quando a mulher coloca o desejo de ser mãe acima do desejo egoísta de ter um filho "seu", saído de seu ventre (e existem muitas assim!) ela gera um merecimento quando adota e aí consegue uma "liberação" kármica para ter um filho seu. A lei é justa mas com corações endurecidos somente medidas duras resolvem. Existem situações entretanto, não tão comuns quanto as que citei anteriormente, mas que tbm ocorrem em profusão, e que geram a incapacidade da mulher gerar seus filhos. Me refiro a casos onde a mulher em vida passada realizava rituais de magia negra ou cometia deliberadamente infanticídios.

A consulente está em processo de adoção de dois meninos, irmãos, filhos do mesmo casal, e que estavam em uma instituição para crianças que sofreram abuso. O pai biológico é alcoólatra e a mãe sabe-se lá o que faz da vida. O motivo de ter nos procurado, segundo nos disse, é em função de que o menino mais velho tem crises de pânico à noite. Ela procurou um psicólogo e lhe disseram que o menino tinha "terror noturno". Considerando a situação de abuso que as crianças viviam não é de se espantar, entretanto, quando a mulher nos contactou sentimos que havia um componente espiritual forte a ser tratado.

Durante a consulta, percebemos que o motivo que trouxe a consulente a nós era outro. Na realidade a tia desses meninos solicitou na justiça a guarda das crianças e como ela está com uma guarda provisória ela teme perdê-las. O motivo real dela ter nos procurado era saber se ela vai ficar com a guarda das crianças ou não, ou seja, ela queria consultar um oráculo que lhe predissesse o futuro.

Inicialmente se manifestou o espírito de uma mulher falando como uma demente mas após alguns minutos de conversa disse que não era louca e que faria de tudo para que ela (a consulente) não ficasse com essas crianças. Conversando com este espírito descobrimos que em uma vida passada a consulente havia assassinado essas duas crianças, que na ocasião eram filhas desse espírito que se manifestou. O que ocorreu foi o seguinte: esta mulher (o espírito comunicante) era casada e tinha dois filhos. A consulente era amante do marido dela e ambos planejaram um meio de se verem livres dela. Disseram que ela era louca e a internaram num hospício; logicamente que levando choque e sendo drogada diariamente ela enlouqueceu mesmo. A consulente então naquela vida foi viver com o marido da louca, e como não quizesse as crianças lhe atrapalhando a vida, as matou por envenenamento.

Conversei bastante com esse espírito, fizemos ela lembrar que em uma vida passada ela havia assassinado os próprios filhos dando-lhes soda cáustica para beber, e por fim um outro espírito que foi mãe dela veio buscá-la. Era esse espírito inclusive que estava influenciando a tia dos meninos a pedir a guarda deles. Ela tbm perturbava o menino para ele não gostar da consulente e quando ela saía de perto dele à noite para ir influenciar a tia dos meninos ela deixava no local um outro espírito que costumava acompanhar o pai alcoólatra deles. Tbm foi retirado.

Tratamos uma outra frequência na consulente onde ela era uma empreendedora. Numa época em que era  uma grande desonra para a família uma filha engravidar sem marido, ela investiu no negócio de salvaguardar a honra das famílias que tivesse caído nessa desgraça. Ela prometia aos pais que cuidaria de sua filha durante a gravidez e que daria um jeito na criança, colocando-a para adoção, devolvendo a filha sem o bebê para que a família não tivesse nenhum transtorno. Logicamente que ela recebia uma boa quantia por esses seus serviços. O atual marido da consulente naquela vida era empregado dela. Cabia a ele a tarefa de perambular pelas cidades divulgando a "instituição" da consulente. Ela de fato cuidava das moças, mas as maltratava, e quando as crianças nasciam ela as degolava na hora do nascimento, muitas vezes na frente da própria mãe. Uma dessas moças inclusive ela matou pois a mesma afirmou que iria contar a seus pais, este espírito estava acompanhando a consulente e foi encaminhado.

Onde tem uma criatura perturbada como essa matando bebês obviamente deve ter uma entidade muito trevosa por trás e rastreando essa frequência da consulente localizamos uma bruxa com visual de medusa. Essa medusa estava há cerca de mil anos sem reencarnar e tinha uma organização imensa. A princípio identificamos uma casa com três andares subterrâneos, com vários departamentos, cada um gerenciado por uma bruxa (estou chamando de bruxa uma entidade feminina com conhecimentos de magia). Esta medusa tinha uma localidade no astral do tamanho aproximado de uma cidade de 200.000 mil habitantes e nessa localidade havia um altar de sacrifícios no centro de um pentragrama feito de pedras desenhado no chão. Foi efetuado um resgate coletivo muito grande e a medusa foi levada pelos guardiões do nosso grupo, depois de lhe apagarmos a mente.

Fica fácil de perceber nesse caso a ação punitiva e corretiva da lei de ação e reação, que fez com que a consulente não pudesse ter filhos mas colocou para ela como filhos adotivos dois seres que ela matou em uma vida passada. Se a consulente vai ficar com essas crianças ainda não está definido e vai depender muito do quantum de amor que ela puder dispensar a esses meninos enquanto estiver com eles. Não nos compete julgar as ações das pessoas, apenas relatar os efeitos dessas ações a fim de educar nossos leitores sobre a realidade da vida e da reencarnação, sem fantasias romanceadas, mostrando os fatos como eles realmente são.


Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário