quarta-feira, 1 de abril de 2020

Hoʻoponopono

     O Ho'oponopono é uma prática tradicional havaiana de reconciliação e perdão de problemas familiares. Se havia um conflito, alguma desavença ou mágoa entre duas ou mais pessoas na família botavam eles juntos mediados por uma pessoa mais velha e sábia, geralmente um curandeiro, um kahuna lapa'au, para conversarem e acertar as desavenças. Originalmente é uma prática positiva, uma maneira de restaurar a harmonia nas relações familiares baseada no diálogo e tendo como fundamento o perdão.

Mantra do Ho'oponopono "moderno"


     Um sacerdote de cura chamado Morrnah Simeona, em 1976, adaptou essa prática aos dias modernos. De resolução de problemas familiares ele a transformou em um método de auto-ajuda e espiritual e individual

    Simeona tinha uma educação cristã e seu método foi baseado além disso m seus estudos da filosofia da Índia, China e também do famoso médium e adivinho Edgar Cayce. O Ho'oponopono de Simeona é baseado em limpar o karma negativo, removendo traumas de vidas passadas do inconsciente. Seu método consistia em 14 passos para dissolver essas energias negativas de vidas passadas e não havia nenhum tipo de mantra, assim como no original havaino.
       Ihaleakala Hew Len, um ex-aluno de Simeona, falecido em 1992, foi co-autor com um ameericano chamado Joe Vitale no livro Limite Zero, em 2007. Se Simeona já tinha desconfigurado totalmente a antiga prática havaina, seu discípulo Ihaleakala e Vitale, a desvirtuaram completamente.
     Na prática sua filosofia é chegar ao estado zero, que seria um estado primordial, sem lembranças, sem identidade (e consequentemente sem karma nenhum), onde segundo ele teríamos "zero limites", ou seja, tudo nos seria permitido, princiapalmente claro a prosperidade (riqueza).
     E qual foi a maneira que esses gênios descobriram para se conseguir eliminar todos os karmas que adquirimos em sucessivas encarnações e ainda por cima conseguir tudo que desejar na vida? Simples, basta recitar o mantra do Ho'oponopono que eles criaram: "I love you. I'm sorry. Please forgive me. Thank you.", que em português ficou assim: Sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato.
      Simples assim, basta recitar esse mantra todo dia que seus problemas acabaram, você elimina seu karma, as pessoas te perdoam, e você ainda fica rico de quebra.
      Esse Joe Vitale para quem não conhece participou daquele filme metido a documentário, O Segredo, em 2006, um ano antes de lançar seu método Ho'oponopono, que basicamente se baseia na mesma ideia, tipo basta você querer que você consegue, seus desejos se tornam realidade, você é cocriador da sua realidade e blá blá blá. Parafraseando o saudoso Padre Quevedo, caçador de embusteiros paranormais, Isso non ecsiste!
      Existem muitas leis no universo, mas a lei a que todos estamos sujeitos aqui e que regula as demais é a Lei do Karma, ação e reação, que diz que tudo que saiu de nós vai voltar para nós, toda energia que saiu de ti volta para ti. Isso é o karma, e não vai ser recitando mantra que você vai se livrar do seu karma.
    Mas nenhuma terapia nova era fácil de realizar por qualquer um e que promete mundos e fundos seria completa se não houvesse por trás de sua criação uma mente maligna. Nesse caso nem tão maligna, estava mais para um parasita energético.
     As pessoas que praticam esse mantra do Ho'oponopono são do tipo good vibes, pessoas que querem ser boas, gratas, querem um mundo melhor, querem prosperidade, etc. Não são pessoas ruins, então possuem uma energia boa, embora lhes falte o conhecimento, pois se deixam iludir por uma falácia simplista como essa, de que basta recitar umas palavras todos os dias para conseguir o perdão de outras pessoas, limpar seu karma e outros disparates absurdos.
      A mente que inspirou a criação desse Ho'oponopono moderno não tem nada a ver com o Havaí, era um dos primeiros cristãos, um apóstolo que por volta do ano 300 D.C. viajava pelo mundo conhecido pregando a palavra de Jesus. Roma, Grécia, Turquia e Jerusalém foram alguns dos locais para onde ele viajou como apóstolo e foi num desses locais que ele morreu em nome de sua fé.
     Ele foi pregar num local onde o cristianismo não tinha adeptos, fazia discursos inflamados, e acabou irritando as autoridades locais. Foi amarrado a uma estaca e lhe cravaram uma lança no peito. Suas últimas palavras antes de morrer foram as do Cristo, dizendo ao seu algoz "eu te perdoo".
     Quando acordou no pós-morte não sabia que estava morto e saiu caminhando de volta a sua terra, em busca de ajuda para a forte dor no peito que sentia (onde lhe cravaram a lança).
      Somente quando chegou em sua terra é que percebeu que havia morrido pois ao tentar pedir ajuda a um conhecido, observou que a pessoa não o via, mas lembrou dele e orou pedindo perdão por seus pecados. Ele conseguiu ver e sentir a energia do desejo de perdão que emanou do conhecido e chegou até ele.
      Desde então ele vivia junto à comunidade cristã absorvendo seus sentimentos de perdão. Passou dezenas de séculos assim, mas recentemente esse tipo de energia já não aparecia muito entre os cristãos, o desejo de perdão, e ele entrou no esquema da nova era. O apóstolo foi quem inspirou os criadores do moderno Ho'ponopono a reduzir tudo ao mantra "Sinto muito. Me perdoe. Te amo. Sou grato.
      O apóstolo recolhia só essa energia boa das pessoas, desejo de perdão, e vivia bem com isso, se especializou em absorver essa energia e realmente acreditava que trabalhava para Jesus induzindo nas pessoas o sentimento de perdão e para lhe ajudar ele contava com cerca de 1500 espíritos, encarregados de induzir as pessoas a realizarem a prática, espíritos propagandistas, que se infiltravam em meios espiritualistas e induziam as pessoas a acreditar que o ho'oponopono é bom.
     Vimos que a quantidade de gente praticando realmente não é muito elevada porque a pessoa tem que acreditar mesmo no que diz para liberar uma energia boa e mesmo entre os que praticam nem todos conseguem isso, mas ao recitar o sinto muito e blá blá blá a energia ia direto para o apóstolo. 
    No fundo o apóstolo não era um espírito maligno, era só uma pessoa egocêntrica iludida com o próprio grau evolutivo espiritual, como muitos que temos aqui também, se achava um ser de luz, mas agora vai entrar no ciclo reencarnatório.
      Quanto aos praticantes, por mais que repitam o mantra, isso não vai mudar em nada seu karma, não vai curar o planeta ou o que quer que seja, nem as pessoas que vocês querem que os perdoem vão lhes perdoar, ao contrário, no atendimento que fizemos onde nossa consulente pratica Ho'oponopono, vimos que quando ela recitava o mantra pensando em algumas pessoas que ela acha que lhe desejam mal ou que ela quer que a perdoem, essas pessoas desdobradas retrucavam ela, dizendo que não a perdoariam, e ainda ficavam com raiva dela por querer os "obrigar" a perdoá-la.
     Vimos nesse post como alguém pega uma prática antiga e legítima de uma cultura, no caso dos havainos, a deturpa e desvirtua, transformando em algo totalmente diferente, e ainda vende o peixe como se fosse a mesma prática antiga e original. 
     O Ho'oponopomo do mantra, sinto muito, mas não é o Ho'oponopomo original dos havaianos. O que sobrou foi apenas o nome, para te venderem como uma prática antiga e exótica de uma cultura distante, pois o Ho'oponopomo original era apenas um bate papo para resolver desavenças familiares, é tipo uma avó botando os netos briguentos para pedir desculpas um para o outro.


Gelson Celistre



6 comentários:

  1. Quanta enganação desses seres trevosos pra usarem nossas energias. Agora. Tu sabe né Gelson que essa história de carma é outra ilusão que nos inculcaram pra gte continuar encarnando milhões de vezes e seguirem com a vampirização. Tu acredita nessa lei do carma" mesmo ou tu acha que as pessoas ainda não estão preparadas pra receberem esse choque?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sibelle, eu praticamente só acredito na lei do karma. Creio que as pessoas estão sendo muito iludidas por seres das trevas que as fazem pensar que são especiais e que estão presas na Terra injustamente para lhes afagar o ego e a vaidade, fazendo com que elas não realizem o importante trabalho interior de aperfeiçoamento.

      Excluir
  2. Também Creio nisso cada vez mais Sibele. Acredito que Seres Superiores, não em ética, basicamente física e tecnologicamente nos vampirizam.

    ResponderExcluir
  3. Teve uma época que eu escutava muito o Gasparetto e como esse médium e as entidades que falavam por ele sempre diziam que o carma não existia, o que existia era apenas o poder de crer em algo, eu também passei a acreditar que carma não existe e que viviamos apenas o que acreditávamos ser real. Hoje, ainda bem, penso diferente! Assim como o Gelson, eu basicamente só acredito na lei do carma! Sou grata por esses aprendizados!

    ResponderExcluir
  4. A lei do Karma me parece muito com o que tem na Bíblia sobre a lei da semeadura. Já pratiquei Ho'oponopono, mas não senti sinceridade. Atualmente o que me parece é que boa parte das práticas de elevação espuritual foram deturpadas/roubadas pelos tevorosos para vampirismo e manipulação em massa.

    ResponderExcluir