segunda-feira, 15 de março de 2010

Livre-arbítrio X escravidão

No início da reunião sempre peço aos participantes que mentalizem seus locais de trabalho, a fim de que algum ser sofredor que esteja eventualmente nesse local possa ser trazido a nós e ser atendido pela equipe espiritual. Ao fazermos isso uma das médiuns viu um ser que segundo ela não via há muitos anos, mas que costumava 'aparecer' pra ela prenunciando uma morte na família. Segundo ela este ser sempre aparecia com um traje preto e a pedido dela, que sentia medo daquela figura, veio com uma roupa branca na última vez que havia aparecido, há alguns anos.
Ao terminarmos os atendimentos agendados para aquela reunião, fomos verificar pq motivo este espírito estava lá. Trouxemos a entidade e a incorporamos em outra médium, para dialogarmos. Perguntei-lhe a finalidade dele aparecer justo nas proximidades do falecimento de algum parente da médium e quem lhe informara sobre esses futuros acontecimentos, ao que ele respondeu irritado que não fazia mal a ela, que só queria ajudar, etc. Disse que lá do 'outro lado' é mais fácil prever esses acontecimentos e eles 'ficam sabendo'. Indaguei onde ele vivia quando não estava bancando o mensageiro da morte e ele respondeu com evasivas e com agressividade.
Oferecemos a este ser ajuda e ele negou categoricamente por reiteradas vezes que não queria nossa ajuda, que queria ficar onde estava, etc. Puxou o velho refrão do livre-arbítrio, que era a vontade dele ir embora e que não queria ajuda. Em outras ocasiões provavelmente eu mesmo já o teria mandado embora, mas nesse caso algo em meu íntimo me fez insistir com ele.
Pedi aos outros médiuns que verificassem a relação de vidas passadas dele com a médium para a qual ele aparecia e descobrimos que tinham sido irmãos e que ela morrera jovem por falta de recursos e que naquela vida, quando adulto, ele conseguiu ter um relativo sucesso na vida e sentia-se amargurado por não ter podido ajudar a irmã quando esta morreu. Tbm soubemos que em outra ocasião, quando ambos estavam na dimensão astral, fizeram um pacto, onde um se comprometia a ajudar o outro quando estivessem em 'lados opostos' da vida, isto é, um encarnado e outro desencarnado.
Nesse meio tempo enquanto os médiuns me relatavam o que estavam vendo, o ser se evadiu do local e questionei a médium na qual ele estava incorporado o motivo de ter deixado ele partir, já que eu dissera que era para ele esperar ali.
A médium argumentou que achava que a equipe espiritual o havia levado pq ele não queria ficar ali. Nestes casos é preciso que se esteja bem focado nos acontecimentos e numa situação assim, onde eu ainda estava investigando o caso e ainda não havia liberado o ser, dificilmente a nossa equipe o levaria, a não ser que estivesse com a saúde muito abalada, que não era o caso.
Pedi então a todos os médiuns que rastreassem e encontrassem o tal ser e eles o encontraram preso numa caverna, muito assustado. Quando o trouxe de volta a relutância em receber ajuda e a raiva demonstrada se converteram em desespero, materializado com um choro convulsivo.
Este ser havia feito um acordo com umas entidades trevosas, em que ele deveria lhe prestar alguns 'serviços' em troca da segurança da médium. Diziam a ele que se não cumprisse sua parte que eles iriam machucá-la muito. Apavorado, sentindo-se culpado por não ter podido ajudar a sua então irmã em outra vida, ele aceitou o acordo, que lhe permitia eventualmente vir vê-la, nas ocasiões em que os tais seres achavam conveniente.
Como se trata de uma trabalhadora da Luz, é provavel que as entidades que aliciaram este espírito ignorante e apiedado, utilizassem essa frequência em comum entre ele e a médium para, através dele, colocar alguma 'tralha' ou energia negativa no campo áurico dela.
Conversei com o tal espírito e o convenci de que o ajudaríamos e que nada de mal as tais entidades fariam a ela, tendo ele então aceitado receber a ajuda que ofertamos.
Alguns seres com os quais nos deparamos estão tão enraizados no mal que se recusam mesmo a qualquer tipo de mudança em seu comportamento e os mais 'espertos' sempre apelam para esta questão de ser seu livre-arbítrio continuar como estão. Em vários casos lhes dou razão mas são poucos os que podem ser liberados pq mesmo sendo sua vontade continuar agindo no mal, suas ações estão prejudicando vários outros seres e nesses casos deixo por conta dos 'exus' que nos auxiliam.
Este espírito argumentava com convicção e indignação por eu estar interferindo insistentemente no seu 'livre-arbítrio', mas no fundo era um pobre coitado, escravizado a uma situação em que sabe-se lá como foi se submeter.
O nosso livre-arbítrio está condicionado ao nosso grau evolutivo. Mais evoluído mais livre-arbítiro, menos evoluído menos livre-arbítrio. Muitos seres são manipulados por mentes trevosas que acabam se utilizando desse chavão de 'livre-arbítrio', de acordos e outras situações para perpetuar seu domínio sobre as mentes mais frágeis, que acreditam estar gozando de um privilégio, seu livre-arbítiro, ao resistir ao socorro. Cabe a nós desenvolvermos nossa sensibilidade para perceber quando o ser age realmente por vontade própria ou quando é impelido a agir de determinada forma por forças externas a ele.
Abraço.

Um comentário: