quinta-feira, 18 de março de 2010

O Templário

Menino de 10 anos de idade, adotado. Quem solicitou atendimento foi o pai adotivo, que era o consulente presente, e este relatou que o menino tem muita dificuldade de relacionamento, principalmente com sua esposa, que é a mãe adotiva. O menino foi deixado para adoção numa instituição ainda bebê e foi adotado pelo casal quando tinha uns dois anos.
Ao iniciarmos o atendimento, um dos médiuns viu o filho do consulente em uma vida passada, onde este era um cavaleiro Templário, que sentia um ódio racial muito grande pelos negros (árabes muçulmanos), tendo matado muitos deles com uma satisfação que ia muito além do seu dever como um cavaleiro das Cruzadas.
Depois foi vista uma outra existência do menino, desta vez como um negro (ele considerava qualquer pessoa morena ou de pele mais escura como sendo negra, inclusive ele) e escravo numa fazenda onde hoje é a Turquia.
Dessa existência como escravo é que ele está reencontrando seus pares na vida atual. Naquela vida a filha do dono da fazenda se interessou por ele, mas o pai dela tbm tinha um ódio racial muito grande e por conta disso, ele acabou mandando matar o menino, e tbm a própria filha. Naquela vida esse homem tbm tinha um filho, que tbm se interessou por uma mulher 'de cor', e por isso ele se considerava muito humilhado, por seus próprios filhos se misturarem com os 'negros'.
Este ser atualmente está desencarnado e estava obsidiando a  família do consulente, pois o consulente e sua esposa são os mesmos espiritos que foram seus filhos naquela vida, e o filho do consulente é o escravo pelo qual ele acabou matando a própria filha, além do próprio escravo. Ele considerava humilhante para ele que os espiritos que foram seus filhos ainda adotassem como filho 'aquele negro'.
Após conversar um pouco com este ser, mostramos a ele uma existência passada dele mesmo, onde ele era um negro e vivia na África, em condições paupérrimas, e tbm o fizemos ver que a filha que ele mandou matar por gostar de um 'negro', fora sua mãe nessa existência que ele teve na África como negro.
O infeliz deu um nó na cabeça quando lembrou que já foi negreo, a cor que ele tanto odiava, e ainda mais sabendo que mandou matar a própria filha, que já tinha sido sua mãe em outra vida. Meio abobalhada, se deixou levar pela equipe espiritual. Com o encaminhamento desta entidade o 'clima' deve se amenizar nesta família.
mas é uma situação cármica que exige muito dos envolvidos, tanto do pai e mãe adotivos, como da própria criança. É preciso envolver a criança em muito amor e criar uma convivência saudável entre todos, e tbm educar bem o menino para que respeite as outras pessoas independente da 'cor' ou raça que tenham, pois o menino ainda tem esse 'vício mental', o ódio racial, muito arraigado nele.
Abraço.

Gelson Celistre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário