quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

A feiticeira

    Uma das médiuns, esta está em desenvolvimento, estava sendo assediada há vários por um espírito feminino, que se manifestou na reunião. Era uma mulher que dizia que estava 'brincando' com ela. Uma outra mulher (desencarnada) a ensinou a tal 'brincadeira', que consistia em ela dizer uma palavra para a médium e com isso ela 'criaria' toda uma 'história'. Como a médium está em desenvolvimento e tbm em tratamento, pois só recentemente 'descobriu' que tinha mediunidade, depois de vários anos de tratamento psiquiátirco e psicológico, esta sofria com a tal brincadeira, pois as palavras que a outra colocava em sua cabeça a induziam a coisas negativas, como idéias de crimes e locais sombrios.


     Em vida passada este espírito que estava junto à medium morrera envenenada por ela, pq ambas disputavam o amor de um homem, que atualmente está encarnado e é marido da médium. Na tentativa de tratar este ser, mostrando-lhe que uma vida anterior onde ele tinha cometido ato semelhante para a médium, este não lembrou de nenhuma vida onde já se conhecessem. Foram várias vidas onde numa caiu num precipio, noutra morreu de câncer, noutra era uma camponesa, etc., mas nenhuma com ligação com a médium.
     As outras médiuns entretanto captaram uma encarnação onde ambas eram lavadeiras e amantes do capataz da fazenda onde trabalhavam. Este capataz era casado e tinha as duas como amantes, sendo que naquela existência este espírito feminino afogou a médium por ciúmes do tal homem, que é o mesmo que hoje é marido da médium. Naquela vida ele ficou muito indignado com o ocorrido pq com a morte de uma de suas amantes, o seu caso veio à tona e todos ficaram sabendo 'oficialmente', inclusive sua esposa.
     Nesse momento pedi a outras médiuns que rastreassem o ser que havia colocado este ser junto à essa médium avisando que não seria um espírito 'qualquer', pois conseguiu bloquear seletivamente as memórias do tal espírito e aproveitou-se da ligação cármica entre elas para alguma finalidade escusa. Através deste espírito, que pedimos que lembrasse da outra mulher que havia lhe ensinado a tal 'brincadeira', trouxemos a responsável, que em vida passada fora a esposa do tal capataz. Esta sabia das traições do marido mas fazia vistas grossas, mas em relação a médium, como já tinham divergências de outras vidas, a traição com ela a incomodou mais.
     Apesar da ligação cármica, a mentora desta obsessão, uma feiticeira, não o fez apenas por motivação passional de vingança. Esta entidade está ligada a vários outros encarnados de quem suga energia, inclusive a um centro de 'umbanda', onde orienta a mãe-de-santo, e manipula muitos encarnados para lhes sugar as energias. Ela acreditava que seguiríamos o 'procedimento padrão' que ocorre em muitos centros espíritas, isto é, que algum guardião a levaria e que conversariam com ela e a convidariam a ficar com eles para estudar, se modificar, etc., ela então não aceitaria e seria libertada, retornando às suas atividades.
     Porém, como temos feito nesses casos onde mentes trevosas provocam muitos danos coletivos, nós a privamos de seu conhecimento, ou seja, lhe apagamos a memória, assim não poderia usar sua força mental para controlar e prejudicar outros seres. Tbm libertamos mujitos espíritos, inclusive encarnados, que estavam sob o jugo desta feiticeira.

Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário