domingo, 30 de agosto de 2020

Coachs no astral

        De uns tempos pra cá tem coach pra tudo e é claro que no meio espiritualista não iria faltar. Tem coach quântico, sistêmico, espiritual, xamânico, reikiano, etc. É mais uma panecéia que num final de semana ou em algumas horas de transforma de um Zé Ninguém num especialista habilitado.

        Na internet tem vários vídeos de cursos de coach onde as pessoas ficam fazendo coisas ridículas como chorando igual a Chiquinha do Chaves, quebrando tábuas, fazendo o haka dos Maori e outras palhaçadas. O que vemos em comum nesses casos é o uso de frases feitas, jargões onde tudo é fácil e está ao alcance de todos, basta querer e se esforçar. Frases tipo trabalhe enquanto eles dormem podem parecer apenas motivacionais mas você já imaginou um coach obsidiando um empreendedor? 

        Recentemente atendemos um rapaz que estava com estafa mental, não dormia direito, muito focado no trabalho e em ganhar dinheiro, mas acabou esquecendo algo importante que tinha que ter feito, ai entrou em parafuso, travou, disse que tinha vontade de socar a própria cabeça.

            Logo que sintonizamos com o rapaz já identificamos um espírito junto dele que se apresentou como coach do sucesso, sim o tal espírito disse que era coach do rapaz e que empreendedor não dorme e que enquanto os outros vão a festas ele trabalha. Esse espírito está morto há uns 10 anos e quando era vivo tinha uma indústria de fabricação de artefatos plásticos, utensílios para cozinha principalmente, disse que trabalhava muito, não tirava férias, e morreu de estresse.

        No astral como ficou vagando por aqui ficava nesse meio empresarial e há alguns anos acabou assistindo uma palestra de um coach sobre empreendedorismo, que o rapaz que atendemos também participou. O tal espírito já saiu da palestra se achando um coach do sucesso, achando que podia orientar as pessoas a ficarem ricos e escolheu esse rapaz para ser o seu case de sucesso.

           O coach do sucesso passou a acompanhar o rapaz e a lhe orientar em como trabalhar, não deixava o rapaz dormir, lhe batia na cabeça e o infernizava o tempo todo, para ele ficar mais focado, a ponto do rapaz estar já estressado por conta disso e em vias de adoecer. O coach do sucesso foi retirado e agora se for imitar o choro da Chiquinha vai ser com um motivo.

        Mas também pegamos um outro espírito num outro atendimento que se apresentou como coach espiritual, dizendo que seu trabalho era guiar as pessoas para a luz.  Esse era mais perigoso porque junto com um médium que criou alguns produtos, vampirizava muito mais pessoas.

        As terapias espirituais, como a apometria por exemplo, no final das contas são um serviço que é prestado e apresentar esse serviço como algo que você compra no site do terapeuta, e coloca no carrinho de compras, parece não ter nada de errado a princípio, mas gera a falsa ideia de que todos esses tipos de produtos são iguais.

        Apometria por exemplo depende da capacidade da pessoa que está fazendo, depende das minhas habilidades como dirigente e dos médiuns com quem eu trabalho, e a apometria que uma outra pessoa oferece não vai ser igual a minha, pois somos todos diferentes e temos capacidades distintas. Mas a pessoa entra num site, compra um pacote de cursos que inclui várias terapias, e no dia seguinte já está oferecendo seu serviço como se o trabalho dele fosse igual ao de quem realmente tem vivência na área. Esse a meu ver é o problema desse formato, estilo empreendedorismo, na área de terapias.

        O tal coach espiritual trabalha com um médium aqui no físico que tem um site bem feito, com uma boa estética, imagens bacanas e tal, uma boa embalagem para um produto que no final das contas é a velha vampirização de sempre. Esse médium e seu site atraem as vítimas, que passam a ser intuídas pela equipe do coach espiritual a fazer os tratamentos que o médium oferece, ele ganha financeiramente e o coach espiritual energeticamente.

        Esse espírito que se apresentava como coach espiritual fazia parte de um grupo de cerca de 20 espíritos, que há séculos vivem vampirizando as pessoas. Um deles reencarna e os outros dão suporte para ele no astral para que trabalhe com a espiritualidade de alguma forma que atraia as pessoas, que eles passam a vampirizar. O grupo é bastante eclético e se adaptam muito bem ao que está em voga ou na moda quando um deles encarna.

        Esse com quem conversei teve sua última encarnação há cerca de 150 anos, nasceu na Europa mas foi para a Índia aprender com os sadhus, e voltou se intitulando um guru, viajava por toda a Europa e atraiu muitos seguidores. Aliás ir para a Índia e voltar guru ainda é uma prática comum nos nossos dias, até aqui no Brasil. A criatura sai daqui como uma pessoa normal e volta com prema no nome e transformado num grande guru, com direito até a ser reconhecido como reencarnação de outro grande guru, quase um Dalai Lama.

        Aliás sobre gurus indianos vale a pena lembrar a história de Bhagwan Shree Rajneesh, um vigarista hindu depravado, que depois mudou o nome para Osho, e que muitos desavisados compartilham frases dele na internet como se fosse um homem santo. Já tivemos um encontro com ele relatado no post Osho e a migração interplanetária, de 3/7/2014.

        Bem, mas o coach espiritual e seu bando foram presos e encaminhados para reencarnação compulsória; vão todos nascer onde se necessita desse espírito empreendedor. O coach espiritual por exemplo vai nascer numa favela na Índia. 

 

Gelson Celistre



 


 


Nenhum comentário:

Postar um comentário