quarta-feira, 20 de março de 2019

White Walker


     As vezes adotamos alguns comportamentos radicais em uma ou mais vidas que acabam nos causando problemas. Atendemos uma moça com os seguintes problemas:

     “Sinto como se eu estivesse vendo a vida passar "amarrada" em algum lugar da minha consciência, pois é como se eu estivesse travada sem conseguir agir para nada, apenas vendo tudo acontecer. Nos últimos meses, ocorreram situações ao sair em algum lugar com muitas pessoas, um shopping, por exemplo, de me dar um pânico, me sentir tonta como se eu estivesse embriagada e não conseguisse mais raciocinar, só sentir vontade de ir embora do local. Sinto como se eu já tivesse morta na maioria dos dias, pois não tenho mais fé em nada e nem alegria em viver. Não chego a ter mais pensamentos com vontade de morrer, mas simplesmente sinto que o tempo está apenas passando e é como se eu não tivesse forças para fazer nada.”

White Walker, da série da HBO Game of Thrones.

     Nós já havíamos atendido ela há cerca de 15 meses, praticamente com os mesmos problemas, mas eu não me recordo do que foi visto na consulta dela na ocasião, mas não deve ter melhorado muito. E eu costumo ser franco com os consulentes e se percebo que não vai haver muita melhora digo na hora e digo os motivos. Relato isto para demonstrar que tem coisas que não podemos mudar, principalmente quando a pessoa está resgatando uma energia kármica muito pesada, no sentido de haver muita energia envolvida.
     Neste segundo atendimento o que encontramos a consulente desdobrada vagando sem rumo no umbral com a aparência meio, esquelética, pele esbranquiçada com as veias aparecendo, cabelos longos e brancos. Muito semelhante segundo o médium aos White Walkers da série da HBO Game of Thrones. E ela se desdobra e vai para este local por vontade própria. Vimos várias vidas passadas dela onde foi ermitão e monge e que gostava de viver sozinho. Em uma vida inclusive onde vivia numa floresta ela chegou a matar algumas pessoas para viver sozinho, para ficar em paz.
     Logo que essas coisas foram vistas a consulente desdobrada como um White Walker se apresentou indignada e já foi logo xingando o médium, dizendo que não tinha nada com isso e que deveria cuidar da sua vida, e dirigindo-se a mim disse para eu me afastar e deixar as coisas como estão. Inclusive repetiu duas vezes que não me dava permissão para fazer alguma coisa.
     Em seguida surgiram mais uns trinta espíritos semelhantes a ele dispostos a não deixar que eu fizesse qualquer interferência na situação. Atacaram o médium para que ele saísse do local e também que não pudesse vê-los. Sua energia era tão densa que o médium passou a sentir muito frio. O médium percebeu que alguns desses espíritos exalavam um tipo de fumaça negra, e isso ocorreu porque eram encarnados e estavam ali desdobrados, como a consulente. A fumaça negra que ela viu era o ectoplasma que eles estavam exalando.
     Nossa equipe espiritual nos informou que estes espíritos faziam parte de uma mesma seita, muito antiga, onde os membros aprendiam a dominar a arte da “viagem astral”. Alguns deles conseguiam ficar por muito tempo fora do corpo, deixando seus corpos físicos em um tipo de hibernação em cavernas nas montanhas, sendo vigiados por outros membros da seita. Agindo de forma consciente no astral eles conseguiam induzir as pessoas encarnadas a fazerem coisas que eles queriam ou que eram contratados para fazer, inclusive induziam a fazer rituais de sacrifício humano para coletar ectoplasma para se manterem mais tempo em hibernação.
     Nos informaram que vários deles em mais de uma vida conseguiram se utilizar desse expediente, mas que por questões kármicas não conseguem mais ficar em desdobramento consciente, não conseguem mais “viajar” quando reencarnam, por isto se sentem tão mal quando estão vivos, sentem-se presos. Neste caso não tinha muito o que fazer a não ser fechar essa frequência da consulente e dos outros que estavam ali desdobrados e manda-los de volta ao corpo físico. Os que estavam desencarnados foram levados por nossa equipe para realocamento em um novo corpo físico.
     É pouco provável que a consulente vá sentir alguma melhora, em função das várias vidas em que viveu sozinha e por conta dos atos praticados nas outras vidas ainda onde usou do desdobramento consciente para prejudicar outras pessoas.

Gelson Celistre
    

Nenhum comentário:

Postar um comentário