terça-feira, 10 de maio de 2011

Iniciações e rituais xamânicos

Tradicionalmente fazemos uma pirâmide de proteção ao redor do local da reunião, na dimensão astral, e no alto dessa pirâmide há uma cruz. No início da reuniáo, enquanto faziamos os procedimentos de abertura, esta cruz foi atingida por um raio e se partiu. Nós a reconstruímos e reforçamos e ela continuou a ser atingida por raios, só que depois que a reconstruímos os raios batiam nela e eram desviados para a região ao redor da pirâmide, que estava cercada por densas nuvens negras, e foi clareando o local. Em seguida, ao atendermos nossa primeira consulente da noite, nos deparamos com quem estava nos atacando.

A consulente é terapeuta e fez vários cursos e inciações" na linha "quântica". Chegou inclusive a viajar ao deserto do Atacama, no Peru, para participar de rituais e iniciações. Diz que há mais de dois anos está passando por um processo muito difícil, depois que decidiu se desvincular da pessoa com quem fez os tais cursos e iniciações quânticas. Depois que nos contactou e nos dias que antecederam a consulta passou muito mal, estava inclusive com o rosto todo inchado quando a atendemos. Além disso, a consulente tbm participa eventualmente de rituais xamânicos onde ingere bebidas alucinógenas (Ayahuasca).
Ayahuasca, pronuncia-se Aiauasca em português, onde também se grafa Hoasca, nome quíchua de origem inca, refere-se a uma bebida ritual produzida a partir da decocção de duas plantas nativas da floresta amazônica: uma malpighiácea, o cipó Banisteriopsis caapi e folhas da rubiácea Psychotria viridis (fonte: Wikipédia)
Ao sintonizarem com a consulente os médiuns imediatamente foram transportados para uma região muito densa no astral, onde encontraram centenas de pessoas encarnadas desdobradas, como se estivessem mumificadas, todas enroladas em tiras de pano. Era um imenso repositório de pessoas desdobradas sendo vampirizadas.

Quem cuidava do local era um ser com aparência do diabo clássico, chifres, corpo peludo, patas, etc. Conversei com o sujeito que acreditava realmente que era um ser demoníaco e que estava formando um exército para lutar na grande batalha do Armagedom, no final dos tempos. Pelo papo da criatura já deu pra perceber que não era ele quem usufruía da energia retirada dos encarnados mumificados. Era um coitado qualquer que foi hipnotizado por outro ser, este sim é que nos interessava. Fiz ele lembrar o momento em que disseram a ele que era o diabo e que tinha essa missão de lutar contra os anjos e o fizemos voltar ao normal depois, com uma aparência mais humana.

O hipnotizador era um antigo sacerdote egípcio, há milênios sem reencarnar, e tinha além desse grupo vários outros ligados a várias cidades do Brasil e outros locais na América do Sul, assim como em outros continentes. Não teve muito papo, identificamos os locais onde ele tinha essas células de sua organização, recolhemos os seres e apagamos a mente dele.

Enquanto se desenrolava o atendimento, a consulente estava desdobrada como uma bruxa nos atacando. É algo paradoxal, mas foi o que ocorreu. Além disso, depois que saiu ela "deixou" no ambiente um espírito com muito ódio por nós e já nos avisaram que ela enviaria muitos outros como esse. Tratamos do tal espírito e o encaminhamos para nossa equipe espiritual.

Alertamos a consulente sobre os perigos de se trabalhar como terapeuta sem ter realmente uma qualificação verdadeira, não essas que se obtém com cursinhos e similares, mas a que advém do compromisso com a espiritualidade e com a evolução espiritual. Muitos terapeutas holísticos costumam ter a parede do consultório recheada de certificados e títulos, disso e daquilo, mas se não conseguem ajudar nem a si próprios como irão ajudar quem os procura? Isso é, no mínimo, falta de ética, para não dizer enganação e charlatanismo. E os efeitos kármicos serão sentidos inevitavelmente.

Resolvemos verificar tbm os tais rituais xamânicos do qual ela participa, que são oficiados por um pajé indígena brasileiro. No ritual eles ingerem uma bebida feita com ayahuasca, que supostamente facilita o acesso a dimensões superiores, aos antepassados, guias, e similares. O ambiente astral dos tais rituais é algo digno de um filme trash, pois se misturam espíritos de várias classes*, traficantes, feiticeiros, prostitutas, entidades de ritos africanos, vampiros, etc., que se misturam com os encarnados que bebem a droga e se desdobram. No final acaba tudo numa grande orgia sexual entre encarnados e desencarnados.

O tal pajé realmente acredita no que ensina, pois foi o que lhe ensinaram, mas isso não é suficiente para que realmente ocorra o que ele imagina. Esses rituais são uma festa para os espíritos de baixa vibração, que se locupletam com o ectoplasma exudado pelos encarnados e aproveitam para criar fortes ligações com eles através de atos sexuais, para assim os poderem acessar em outros momentos. Neste caso não há o que fazer além de alertar as pessoas a evitar esse tipo de prática.

Gelson Celistre.


Obs.: Explicamos que ao nos referirmos a entidades de ritos africanos, prostitutas, traficantes, feiticeiros e vampiros, estamos nos referindo às entidades que foram encontradas no local e que exerciam algumas essas atividades, tráfico e prostituição, e outras feitiçaria. Os vampiros são entidades que sugam as energias vitais dos encarnados e os que classificamos como entidades de "ritos africanos" são seres que apenas se apresentam com as características de orixás, caboclos, exus, etc., quando na realidade são espíritos de baixa vibração, mistificadores e enganadores, que se aproveitam da ignorância de muitos médiuns e dirigentes de centros e não estamos nos referindo às religiões de matriz africana que cultuam seres com essas características.
Nossa postura não é a de criticar religiões, seitas ou crenças, mas de relatar os acontecimentos, as coisas como elas realmente são, e na prática o que mais observamos são entidades que se fazem passar por exus, caboclos, etc., enganando e sugando as energias dos incautos que frequentam centros onde o que impera é a ignorância, a maldade e o interesse financeiro.

8 comentários:

  1. Seria bastante interessante voce estender melhor este artigo Gelson, pois há muitas pessoas que praticam esse ritual e não percebem a dimensão dos perigos que passam

    Abraços

    Diana Silva

    ResponderExcluir
  2. Oi Diana,

    As pessoas acreditam no que querem. Já tive oportunidade de atender como psicoterapeuta uma pessoa que frequentava uma seita dessas que bebem chás e expliquei tudo a ele como acontece, mas ela não acreditou.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Meu interesse aqui também é puramente informativo, seguindo o de vocês. Participo de um grupo xamanico a 2 anos e posso garantir que é bem diferente desta menciona por você. É importante que as pessoas também saibam que a forma de utilização da substancia (enteógena e não alucinógina) difere em muitos grupos existentes. O grupo que participo é bem sério e organizado. Orgia sexual não há e respeito os grupos que podem pratica-la não em forma de orgia (que é um jugamento) mas dentro de um contexto.Enfim, nunca participei para falar mal ou bem. Acho que jugamento é terrível quando não se participa e não conhece profundamente para falar. Costumo me policiar sobre isto. Gostaria de expor tudo de bom, tudo de profundo que este grupo me proporcionou e afirmo que a Ayahuasca não é um alucinógeno, mas é enteógena (mostra o que está dentro de você). Desde o início, eu tinha muito medo do que seria exatamente isto, e se isto me traria algum dano. Todos os rituais que participei me mostraram coisas que estão dentro de mim, nenhuma alucinação. Nestes dois anos, alcancei a paz, alegria, mais inteligencia emocional, mais centralização em mim e do que realmente importa: Amor com o próximo, carinho. Não tenho palavras que descrevam as coisas "realmente boas" que tive. Enfim, fica meu comentário positivo (MUITO) sobre grupos xamanicos realmente organizados e com contextos bem definidos. Naõ temos como JULGAR todos os grupos que utilizam Ayahuasca, pois o contexto é o que manda. Para nós (meu grupo) é realmetne uma planta sagrada.

    ResponderExcluir
  4. Olá Michelle,

    Não conheço o grupo do qual vc diz participar mas tecnicamente a ayahuasca é considerada uma substância alucinógena, por conter Dimetiltriptamina.
    Se esse grupo realmente consegue utilizar com um fim que beneficia seus participantes ótimo, mas te confesso que acho difícil de acreditar, em função da grande quantidade que já tive contato e que são apenas todos fascinados, "doidões".
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Oi Gelson,
    Garanto que não sou "doidona". rs
    Eu sempre trabalhei, estudei, independente. Sou uma pessoa comum. E depois da Ayahuasca me sinto mais conectada com o mundo com certeza, com vontade e criatividade. Garanto que meu grupo é do bem, pois são ensinamentos realmente valiosos: Amor, carinho, paciencia, humildade, ajuda ao próximo, e muita alegria. Não vejo como ser ruim. Sei que no peru muitos grupos fazem uso também, não conheço nenhum.
    Já ouvi comentários de uma pessoa de um outro grupo que participou algumas vezes e fez daquilo um amuleto querendo inclusive preparar a Ayahuasca em casa (totalmente errado). Isto é do ego dele. As pessoas precisar respeitar esta planta e realmente fazerem uso em locais seguros e de confiança. é o que eu ouço dizer e concordo muito: Ayahuasca é para todos mas nem todos são para ela.

    Nós somos um grupo 500 membros, fora pessoas que participam e não são membros (no meu caso): Temos locais em São paulo, Rio, Campinas, Florianópolis, Rep. Tcheca...
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  6. Participei algumas vezes desse ritual para tomar o chá, e não me adaptei, "Graças a Deus". No término da sessão me sintia muito mal, agoniado, terminando com vontade de não ir mais lá. O local aparentava ser bom, as pessoas que conheci pareciam-me pessoas simples, aparentemente sem maldade, dava ao ambiente um ar acolhedor. Algo que achei interessante, justamente pelo que você relatou, depois que já havia passado o efeito, vezes esperava na rodoviária para pegar o ônibus para casa, sentia uma ereção do nada, o que julgava ser efeito do chá. Também quando eu chegava na cidade para a a reunião com o grupo, sentia um estímulo sexual grande, do nada, simplesmente sentado olhando as pessoas.
    O que me alertou para esse local, é que sonhei um dia que vi um campo cercado, contendo várias pessoas deitadas, imóveis, sendo que só a cabeça se mexia, e eu sabia que estava relacionado àquele grupo.
    Muitas coisas acontecem..... e nem sabemos.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Oi Mike,

    Na maioria das vezes as pessoas que frequentam são ignorantes, que julgam estar em contato com seres "elevados" espiritualmente, mas que na verdade são vampiros energéticos. Felizmente vc deu atenção à sua intuição e se desligou dessa egrégora.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Olá para todos

    Depois de ler quase todos as postagens deste blog, passei a desconfiar de muitos lugares que já frequentei, basta ir associando, sentindo, refletindo... acabei não confiando mais na grande maioria, porque quanto mais eu me envolvia, mas coisas "estranhas" aconteciam...
    Abraço,

    Alice

    ResponderExcluir