terça-feira, 19 de janeiro de 2021

O guerreiro escalpelador

    No tratamento de uma mulher com psoríase foi visto junto dela o espírito de um índio norte-americano lhe jogando sobre o corpo uma poção preparada pelo xamã de sua tribo, com a finalidade de provocar a doença na mulher. Esse índio em vida passada foi chefe de uma tribo nativa do território norte-americano.
    
    A mulher que estávamos atendendo, em uma vida passada há cerca de 200 anos, foi um índio norte-americano, um guerreiro muito temido pelas tribos adversárias, pois ele era famoso por escapelar e esfolar vivos os seus inimigos. Durante sua vida como guerreiro ele escalpelou mais de 200 guerreiros, sendo que muitos deles ele também esfolou, tirou toda pele da pessoa, com ela ainda viva.
    Esse chefe índio que obsidiava a mulher, juntamente com toda sua tribo, assistiram impotentes seu melhor guerreiro, que também era filho do chefe, ser escapelado e esfolado vivo; a tribo teve que abandonar o local onde viviam sem nenhum de seus pertences. Foi uma grande humilhação, o guerreiro morreu com desonra e após a morte foi para o Vale da Desonra, para onde vão os guerreiros que morreram sem honra. Desde então esse chefe índio persegue o guerreiro escalpelador para vingar a humilhação e a morte do filho.
    O guerreiro escalpelador era adorado por sua tribo, todos lhe rendiam tributos e honras pois ele conquistava muitas coisas para a tribo dele, mas nas tribos vizinhas ele era temido e odiado, sendo que todos os xamãs dessas tribos faziam trabalhos de magia para o enfraquecer, mas como ele era muito adorado pela tribo dele as orações e oferendas deles lhe protegiam desses feitiços.
    Quando ele morreu já velho foi feita uma cerimônia fúnebre de despedida com muitas honrarias, e o corpo dele foi deixado sobre umas toras de madeira ao relento num local distante da tribo para ser devorado pelos animais, para voltar a natureza.
    Foi aí que o guerreiro escalpelador começou a pagar  por suas atitudes, pois muitos dos guerreiros que ele escalpelou e matou já o esperavam no astral. O ódio desses espíritos era tão grande que vários deles "incorporaram" nos urubus para arrancarem os pedaços da pele do guerreiro escalpelador
    No astral ele foi preso pelos inimigos, que o amarraram com uma corda no pescoço e fizeram com ele o que ele fazia em vida, foi escalpelado e esfolado vivo. Desde então essa frequência dele está aberta no astral, ele é vigiado por 18 guerreiro, e a cada renascimento o chefe índio o acompanha para lhe jogar a poção feita pelo xamã de modo a mantê-lo ainda conectado com essa frequência. 
    Essa encarnação atual onde é uma mulher que sofre de psoríase é a terceira vida do guerreiro escalpelador depois daquela e nas outras duas ele teve o mesmo problema de psoríase. A mulher estava desdobrada nessa frequência de guerreiro escalpelador sentada no chão com a cabeça baixa, ainda amarrada pelo pescoço com uma corda e sendo vigiada por 18 guerreiros.
    Começamos o resgate pelo filho do chefe que estava no Vale da Desonra. Nesse vale umbralino havia mais de 3.000 guerreiros que foram parar ali por alguma desonra em vida, uns fugiram da batalha, outros foram traidores, outros humilhados em batalha, etc. Quase todos os que foram mortos pelo guerreiro escalpelador estavam ali e antes de resgatá-los juntamente com os demais nós reconstituímos sua pele.
    O chefe índio quando viu que resgatamos seu filho aceitou ir junto com ele para o hospital, juntamente com os 18 guerreiros que mantinham a mulher preso na frequência. Também reconstituímos a pele do guerreiro escalpelador antes de enviá-lo para o hospital. Um velho xamã da tribo do chefe índio também estava mantendo a frequência aberta e foi levado junto com os demais. As tribos do chefe índio e do guerreiro escalpelador ainda existiam no astral, havia cerca de 150 pessoas em cada, e também foram resgatados.
    A psoríase da mulher deve amenizar, mas dificilmente, pela quantidade de pessoas que ela matou escalpelando e esfolando, ela vai obter uma cura definitiva na vida atual.

Gelson Celistre
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário