sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

Suicídio infantil

     Uma tragédia as vezes esconde relações entre os espíritos envolvidos que sequer imaginamos. Recentemente ocorreu um caso trágico numa cidade próxima daqui, mas esse tipo de situação não é raro de acontecer e eventualmente nos deparamos com a mesma notícia nos jornais. 
     É um caso que certamente chocou todos os envolvidos e pessoas próximas e respeitamos os sentimentos dessas pessoas, com as quais nos solidarizamos, mas vamos relatar o caso para que nossos leitores tenham conhecimento dos meandros kármicos que envolvem eventos aparentemente aleatórios. 
     Um grupo de pessoas estava reunido num encontro familiar, um churrasco no final de semana, e quando alguém foi sair com seu carro do evento, ao dar marcha a ré, acabou atropelando uma criança de poucos anos.



     A criança acabou indo para detrás do veículo sem que ninguém percebesse, embora seus pais estivessem a poucos metros de distância. A pessoa que atropelou a criança era o avô dela. A família está despedaçada, o avô passou muito mal depois do ocorrido, teve que ser hospitalizado, e não estranharia se ele vier a se suicidar, por conta da culpa que está sentindo.
     Mas por mais incrível que pareça se trata de um caso de suicídio infantil. A criança deliberadamente provocou a própria morte porque não queria estar encarnada. Trata-se de um espírito altamente endividado karmicamente. 
     Numa vida passada recente a criança que morreu era um criminoso muito cruel. Em um de seus assaltos, invadiu uma casa onde estuprou uma mulher e suas filhas. O dono da casa, marido e pai das vítimas do criminoso, chegou em casa a tempo de encontrar o criminoso e eles entraram em luta corporal, sendo que o criminoso o esfaqueou, mas o dono da casa era forte e também policial, sendo que ele acabou perseguindo e matando o criminoso. 
     Na vida atual o criminoso era a criança e o homem que o matou na vida passada era o seu avô que o atropelou. A mulher e as filhas que ele estuprou na outra vida nesta vida eram sua mãe e irmãs. O criminoso não nasceu nessa família por laços de amor, mas sim por laços de ódio. Apesar de ser ele o culpado pela sua morte, devido ao seu comportamento criminoso, ele culpava o dono da casa que o matou (legitimamente) naquela vida passada e nutria por todos os envolvidos um ódio extremo. 
     Ao encontrar o dono da casa encarnado ele passou a obsidiá-lo, entretanto, por ser um espírito medíocre, nem percebeu que acabou sendo atraído para a reencarnação de um familiar próximo do dono da casa. Dessa forma, como costuma ocorrer com frequência, o espírito obsessor acabou nascendo na família que ele obsidiava. O obsessor nasceu como neto da pessoa que ele obsidiava.
     Esse espírito entretanto ainda é muito primitivo e mesmo tendo encarnado o sentimento de ódio que nutria pelo homem que o matou na vida anterior foi mais forte que o esquecimento do passado imposto pela reencarnação. Ele ao sentir a presença do avô foi tomado pelo ódio que ele próprio nutriu durante anos no astral e ele preferiu morrer a ter que conviver com o homem que ele odiava.
     Esse tipo de acontecimento é possível devido ao desdobramento e abertura de frequência provocado pela reunião das pessoas envolvidas com a energia kármica que provocou o nascimento desse espírito. Aqui uma criança que mal sabia andar e falar, mas no astral um bandido cruel que odiava as pessoas ao seu redor.
     Ainda vimos outra vida desse espírito onde também era também um bandido que acabou sendo capturado e no presídio virou uma espécie de carrasco, que matou muitos outros presidiários. Pelos eventos da vida anterior podemos concluir que esse grupo de espíritos possui intrincados laços kármicos e que ainda vão se encontrar em muitas outras vidas até quitarem seus débitos entre si.

Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário