quarta-feira, 30 de novembro de 2011

O retrato

Ao entrar em uma sala de uma repartição pública onde há um retrato antigo de um grupo de pessoas, a médium escuta:

- Quero encontrar meu filho Leopoldo! 

- Quem é vc? pergunta a médium.

- Meu nome é Maria Helena Lopes Rodrigues e quero encontrar meu filho Leopoldo!

Ela então me chama e relata o ocorrido. Peço então ao espírito Maria Helena mais dados sobre ela e o filho, para tentar descobrir algo sobre eles, se o tal filho ainda está vivo, etc. 

Nesse ínterim Maria Helena, após fazer algumas observações sobre o nosso vestuário (criticou uma moça que estava na minha sala por ela estar usando 'calças', - Onde já se viu uma mulher usando calças!, disse ela) disse que ia procurar o 'chefe' pq eu não sabia o que estava fazendo e ele sim iria ajudá-la. O espírito se afastou da médium e desapareceu.


Emiti um comando invocando novamente o espírito Maria Helena à nossa presença para tentarmos ajudá-la, e quando ela se aproximou a médium percebeu que havia outro espírito junto dela, tratava-se do Sr. Oliveira, o 'chefe' dela na repartição.

Através da psicofonia da médium conversei tbm com este outro espírito, que me perguntou o que eu queria, reclamou de minhas roupas e ameaçou me 'mandar embora' (ele pensou que eu era algum funcionário subordinado a ele). Perguntei-lhe se ele lembrava de como tinha morrido e ele disse que eu estava lhe "faltando com o respeito". 

Emiti um comando para que ele se lembrasse de como foi sua morte nessa existência e então ele viu que estava em meio à assinatura de documentos em sua mesa de trabalho quando sentiu uma forte dor no peito e caiu desfalecido (provavelmente teve um infarto fulminante).

Emitimos idêntico comando à Maria Helena e esta então reviveu seus últimos momentos daquela vida, estava angustiada pq um homem com o qual ela tinha um 'caso' levara seu filho Leopoldo (Leopoldo Lopes Pereira) e ela nunca mais o viu, dizia que seu marido iria matá-la, que o menino era filho de outro, e que iria tomar 'todos esses comprimidos' dentro do banheiro (da repartição) e que ninguém a encontraria. Maria Helena havia se suicidado.

Ela mantinha um relacionamento extra-conjugal com um homem e inclusive o filho que ela tinha, Leopoldo, era filho de seu amante e não de seu marido legítimo. O amante a pressionou para terminar abandonar o casamento e fugir com ele, mas ela recusou. O amante então sequestrou o filho deles, Leopoldo, e fugiu. Ela desesperada, sem ter como explicar tudo ao marido traído, resolveu se matar.

Já havia duas pessoas da equipe espiritual ali para levá-los. Maria Helena ainda perguntou pelo filho e disse-lhe que mais tarde ela saberia dele. Ela perguntou se depois poderia vir me dizer como ele estava, e respondi que sim. O Sr. Oliveira viu um homem negro, com dois 'ferros de marcar' nas mãos e perguntou o que ele fazia ali ao seu lado. Paralisei o tal ser e encaminhamos o casal de antigos funcionários públicos, Sr. Oliveira e Maria Helena, para nosso posto no astral.
.
Depois conversei com o tal espírito negro com os "ferros de marcar" através da psicofonia da médium. Ele era agressivo, perguntou o que eu estava fazendo e disse que foi mandado para buscar "eles' (Maria Helena e o Sr. Oliveira). Conversei com ele e propus ajuda, garantindo que o 'chefe' dele não o encontraria no local para onde o levaríamos.

Ele tinha muito medo, mas aceitou ir se pudesse levar alguém, sua filha, que seu 'chefe' mantinha presa e que haviam cortado as mãos dela. Localizamos e trouxemos a filha dele e lhe reconstituímos as mãos. Ela estava assustada e com muito medo, repetindo constantemente: -Vamos embora pai, vamos fugir! Eram dois espíritos de antigos escravos negros ainda ligados àquela vida passada. Encaminhamos esses dois tbm para o posto de socorro.

Estes espíritos não estavam 'perdidos' no espaço desde que morreram e nem estavam em algum local plasmado como sendo a repartição onde trabalhavam. Eles estavam sim presos em algum local do umbral por seres trevosos. 

Como já podiam ser resgatados, por questões kármicas, foi utilizada a sensibilidade da médium para o resgate. A memória do que passaram no local umbralino onde estavam após sua morte no plano físico foi apagada de sua lembrança e ambos foram sintonizados com um período pouco anterior à sua morte, para facilitar o resgate. 

Muitos espíritos vivem situações muito traumáticas e desesperadoras após a morte e esse 'apagamento' temporário desses fatos de sua memória facilita em muito o resgate e o encaminhamento desses espíritos aos postos de socorro. Posteriormente, talvez após várias reencarnações, quanto tiverem condições, eles terão conhecimento de tudo o que passaram no umbral após sua morte no plano físico, mas no momento desse resgate essas informações apenas causariam maiores transtornos.

A espiritualidade superior se utiliza de todos os meios possíveis para auxiliar os espíritos sofredores. Neste caso, utilizaram um retrato antigo para fazer a conexão dos espíritos a serem resgatados com a médium, mesmo sendo num local de trabalho, pois sabiam que ela me contando o ocorrido eles seriam resgatados.

Abraço.

Gelson Celistre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário