quinta-feira, 17 de março de 2011

O apômetra

A casa espírita

O consulente é doutrinador em um grupo de apometria há cerca de um ano, sendo que este grupo é vinculado a uma casa espírita de Umbanda. Segundo ele, o dirigente realiza algumas atividades paralelas com búzios, o que já nos dá uma indicação de que talvez ele não siga uma linha puramente umbandista, mas que tenha tendência aos ritos africanos.


 De fato, ao abrirmos a frequência da casa espírita que o consulente frequenta nos deparamos com um enorme morcego, um ser trevoso que estava rondando aquela casa para tentar "cruzar" a casa como ele mesmo disse, ou seja, fazer com que ali se trabalhe com a Umbanda e com rituais de nação africana, o chamado "batuque" aqui no sul do Brasil.

Conversei com este ser que estava incorporado numa das médiuns e o fiz lembrar que já fora companheiro de bruxaria do dirigente do centro em vidas passadas, motivo pelo qual outras entidades, mais inteligentes, o estavam utilizando para influenciar o dirigente. A entidade, o morcegão, foi doutrinada e aceitou auxílio de nossa equipe espiritual. Eu inclusive sugeri a ele que tentasse atuar junto a dirigente como seu guia, após passar para o lado do bem obviamente e ter recebido um suporte para isso. Aparentemente o dirigente está fortemente inclinado a "cruzar" mesmo o terreiro e aí vai ficar muito difícil para este grupo de espíritos que dão suporte ao grupo de apometria continuar na casa, por conta da mudaça de vibração, inclusive pq a energia da casa já não está boa.

O grupo de apometria

Havíamos visto que durante as reuniões do grupo de apometria uma equipe de espíritos fazia um círculo de proteção ao redor deles e depois viemos a descobrir que era para impedir que as entidades que acompanham o dirigente da casa penetrassem na corrente. É um sinal de que o grupo tem uma intenção correta de auxiliar e que contam com uma certa proteção.

Aproveitamos o ensejo e convidamos uma das entidades guardiãs do grupo de apometria ao qual o consulente faz parte a se manifestar, caso quizesse, e um espírito femino fez uso da palavra através de uma de nossas médiuns. O consulente, que segundo a entidade tem boa intenção no trabalho, ainda carece de um certa qualificação técnica e precisa estudar muito pois nesse tipo de atividade espiritual o conhecimento conta muito. Foi inclusive aconselhado pela entidade a estudar em sua casa. Mostraram aos médiuns que existem pessoas na cidade dele que podem vir a participar de um grupo formado por ele como médiuns.

A esposa

Em relação ao consulente propriamente, inicialmente os médiuns o encontraram vagando desdobrado numa região densa do umbral procurando pela esposa, qué é médium não atuante no momento mas que já participou de uma casa de 'umbanda', e que não está harmonizada energeticamente. Ela estava nessa mesma região umbralina, só que ligada a um grupo de espírtos dementados.

Ela estava presa e observava, desesperada, enquanto estes outros seres se devoravam uns aos outros, depois vomitavam e voltavam a comer esses pedaços. Ela seria a próxima a ser comida, literalmente. Este grupo de espíritos estava ligado a uma vida passada dela onde, acusada de bruxaria juntamente com seus familiares, teve sua casa incendiada e morreu queimada. Pela idade dela na vida atual e pela época do ocorrido, início do século XX, por volta de 1912, concluímos que foi na vida imediatamente anterior a esta.

Ela na verdade nessa vida não era bruxa, apenas tinha algum conhecimento sobre chás. Mas ocorre que um pastor protestante da pequena comundiade onde viviam se interessou sexualmente por ela e em determinada ocasião ele tentou estuprá-la, sob o pretexto de a exorcizar, que reagiu e conseguiu jogar chá quente no rosto do pastor, que ficou deformado.

Inconformado com isso, ele passou a incitar a população local contra ela, acusando-a de bruxaria. Numa noite em que a famila dela reunida festejava alguma data comemorativa ele conseguiu incitar o populacho a incendiar a casa da "bruxa" e todos morreram queimados.
Uma vez mortos esse grupo de espírtos acabou preso àquela si
tuação, sem conseguir sair da tal casa no astral,  e como em vidas anteriores tivessem realmente sido bruxos, caíram para uma frequência muito baixa no astral. Acabaram ficando dementados e iniciaram uma espécie de canibalismo astral. A esposa do consulente estava tbm presa nessa frequência, o que estava lhe desarmonizando muito a existência atual.

Puxamos o tal pastor e tentamos doutriná-lo, sem sucesso, uma vez que a criatura era mesmo muito cruel e não queria se modificar. Deixamos a cargo da equipe espiritual e eles tiveram que apagar a mente dele. Às vezes queremos evitar uma medida mais rigorosa como essa, de apagar a mente da criatura, mas em muitos casos é a melhor solução no momento.

Estes espíritos todos estavam sendo manipulados por alguma outra entidade ligada à tal casa de umbanda que a esposa dele frequentava e que pretendia que o consulente tbm sintonizasse com a frequência da esposa no astral, pois tbm fazia parte daquele grupo. O consulente tbm relatou a ocorrência de efeitos "poltergeist" em sua casa na última semana e vimos que estavam relacionados a esse mesmo grupo de espíritos ligados a tal casa e que o queriam "trabalhando" lá com a esposa.

A cigana

Ainda junto com o consulente havia um grupo de espíritos e uma cigana que ele conhecia de vidas passadas. Estas ciganas geralmente são muito espirituosas e gostam de se insinuar. São seres ainda muito presos ao sexo e certametne estava com o consulente para troca de energias sexuais em desdobramento. Essas ciganas costumam ser mais ignorantes do que más.

Ela nos contou, a pedido, sua história. Numa época remota onde os ciganos ainda andavam pela Europa em carroças e viviam em acampametnos itinerantes, ela contava então com 15 anos de idade quando se apaixonou por um "gadjo" (uma pessoa que não é cigana). Segundo nos disse, ele era um "cagão" (covarde) e quando ela contou ao pai sobre sua paixão ele fugiu. O pai dela não aprovava a união de ciganos e gadjos e a obrigou a se casar com um cigano com quase 60 anos de idade.

Ela acabou conseguindo sua liberdade com morte do marido, que ela envenenou astuciosamente para que ninguém suspeitasse, e veio a se casar com um dos filhos desse homem, seu enteado, que regulava de idade com ela, sendo apenas alguns anos mais velho. Teve filhos e netos e disse que só encontrou o seu ex-amor já velho, ocasião em que "rogou uma praga" que fez a mulher dele morrer.

Depois disso teve várias encarnações, mas lembra dessa em especial e se apresenta assim, como cigana. Disse que encontrou o consulente, que era seu ex-amor (o cagão) quando este namorou uma moça nessa vida. A cigana nos disse que essa moça gostava de jogar tarot para si e para as amigas e que ela (a cigana) a inspirava. Já tinham trabalhado juntas em outras vidas. Esta cigana não estava propensa a mudar de vida e a deixamos a cargo da equipe espirittual.

O aprendiz de feiticeiro

Incorporou tbm em uma das médiuns um espírito muito revoltado com o consulente. Ele dizia que não iria permitir que o consulente se desenvolvesse espiritualmente e que faria de tudo para atrapalhá-lo.  Em uma vida passada ambos eram aprendizes de feiticeiro e este ser se sentiu traído.Eles estudavam em grupos diferentes, como se fossem disciplinas específicas, turmas de um colégio, e tinham tutores para cada matéria (feitiços, sortilégios, poções, invocações, etc.). Isso foi no século XVI.

Este ser repassava ao consulente tudo que aprendia, enquanto que o consulente secretamente lhe omitia conhecimentos que ele adquiria. O espírito traído descobriu acidentalmente em determinada ocasião que o consulente não só não repassava tudo que aprendia, como se apossava das informações que recebia dele e se colocava perante os mentores como se fossem descobertas dele.

Ocorre que o consulente e este ser naquela vida tinham uma relação muito próxima, tão próxima que mesmo sendo ambos do sexo masculino eram amantes. Indignado, o tal ser ameaçou contar a todos o que ocorria entre eles, não só da apropriação indébita dos conhecimentos dele como tbm do fato de serem amantes, e então o consulente o matou. No fundo era um caso de amor. Conversamos um pouco com esse espírito e conseguimos convencê-lo a adiar seu encontro com o consulente para uma vida futura, onde ambos estivessem em corpo físico. Com algumas manobras persuasivas o convenci de que o melhor era esquecer e apaguei sua mente.

O mago negro

O consulente relatou-nos um evento ocorrido com ele mais de um semana antes de vir até nós e um sonho estranho que teve depois do ocorrido. Ele é apicultor amador e teve que incendiar uma colméia sua. Depois disso sonhou que era atacado por abelhas. Pode parecer algo insignificante mas como sabemos que não existem coincidências pedimos para ele lembrar do ocorrido para que os médiuns sintonizassem com aquela frequência e verificassem o que houve de fato.

O consulente foi visto em uma vida passada onde era um poderoso mago, incendiando uma aldeia inteira para "alimentar" uma legião de anjos negros, demõnios alados, que eram seus serviçais. Mesmo ele estando encarnado ele era o líder de uma legião demoníaca e atualmente estava ainda trabalhando com aqueles seres em desdobramento.

O incidente com as abelhas foi provocado pela equipe espiritual que auxilia o grupo de apometria dele para expor essa frequência, a fim de que nós pudéssemos rastreá-la e prender a legião de demônios, bem como resgatar os seres mortos na aldeia. A relação entre as abelhas e os eventos ocorridos é que o pai atual dele naquela existência morreu queimado e estava com o corpo coberto de abelhas.

O atendimento

Tínhamos duas pessoas agendadas para consulta no dia dessa reunião. Uma não pode vir e a outra, apesar de ter comparecido, teve que sair antes de ser atendida. O consulente a princípio, por ser um trabalhador apométrico, havia vindo apenas para observar nosso trabalho. Entretanto, acabamos por atendê-lo e, em função do que apareceu, pudemos observar como a espiritualidade "ajeitou" para que tivéssemos a reunião livre para este atendimento, que durou mais de duas horas.

Estas situações que surgiram com o consulente não são raras, principalmente para nós que lidamos com apometria, e este atendimento demonstra que ele está no caminho certo, que tem seres o auxiliando e apostando nele. Quando nos esforçamos sinceramente a espiritualidade nos proporciona meios de "limpar a casa" a fim de nos auxiliar em nossa jornada. Fica o alerta para a necessidade de muito estudo, aliado à boa intenção, para que o consulente obtenha sucesso em seu intento.

Abraço.

Gelson Celistre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário