sábado, 13 de novembro de 2010

A aprendiz de feiticeira

Essa consulente já havia sido atendida por nós há cerca de três meses (vide http://apometriauniversalista.blogspot.com/2010/07/o-dragao.html e tbm http://apometriauniversalista.blogspot.com/2010/07/retaliacao.html). Ela ainda sente muitas dores pelo rosto e no olho esquerdo, e então realizamos outro atendimento.


A consulente em vida passada era empregada doméstica numa residência onde o proprietário era um tipo aventureiro e um tanto leviano, estando envolvido com jogatina e mulheres. Ela por algum motivo quis alertar a patroa sobre a conduta do marido e acabou se dando mal. A mulher não acreditou e ainda contou pra ele, que para castigá-la e a impedir de espalhar 'infâmias' a seu respeito, jogou ácido no rosto dela, queimando o lado direito desde o olho até o queixo. As dores no olho esquerdo são pq ela tendo ficado cega do olho direito, forçava muito o esquerdo.

Ela foi escurraçada e humilhada e saindo daquela casa encontrou guarida entre um grupo de ciganos que vivia nos arredores da cidade. Ficou trabalhando como ajudante de uma bruxa cigana e virou amante do chefe do bando. Usava uma espécie de máscara de couro que envolvia todo o lado direito de seu rosto e o queixo, para esconder o rosto deformado. O ódio pelo homem que lhe deformou e por extensão para a família toda dele, fez com que ela se empenhasse no aprendizado de magia para se vingar. Ela conseguiu matar a família toda, o casal e os filhos.

Em desdobramento ainda existia a pequena cidade com várias vítimas da consulente naquela vida, que fazia todo tipo de trabalho de magia que lhe encomendassem, e para variar estava frequentando o local em desdobramento inconsciente e continuava a fazer vodu e outros feitiços contra a tal família. Ela costumava guardar 'souvenir' de suas vítimas e isso reforçava a sintonia entre ela e essas vítimas. Essa é a maior razão dela estar sentindo tão fortemente as dores no rosto e olhos, a forte sintonia com aquela vida passada (ressonância vibratória).

Efetuamos o resgate de vários seres vítimas da consulente naquela vida, sendo que um desses seres era a sua antiga patroa e outra uma mulher que teve seu filho morto por envenenamento pela consulente, que foi contratada pela amante do pai da criança, que pretendia que com a morte do fiilho ele abandonasse a esposa e vivesse unicamente com ela. Era tanta gente que tivemos que envolver toda a cidadela num campo de força (bolha) e deslocar fisicamente para próximo do posto de socorro, para facilitar para a equipe espiritual.

Entre outras coisas que a consulente carregava havia um outro bolsão de seres, homens, mulheres e crianças, que eram constantemente açoitados por um ser que trabalhava para a consulente; trata-se de um homem, atualmente encarnado. Recolhemos as vítimas, apagamos sua memória e o enviamos de volta ao corpo. O destino, entenda-se lei de ação e reação, juntou novamente algumas daquelas pessoas para acerto de contas na vida atual. O homem que lhe jogou o ácido é um tio dela, a mãe atual é a bruxa cigana daquela vida e o pai atual é o antigo chefe do bando de ciganos que era amante dela.

A mãe se desdobrava e voltava para seu antigo lar na cidadela, onde fazia experimentos com órgãos internos de pessoas e drogas. Como na vida atual está com avançada idade e muito doente, no íntimo deseja descobrir uma 'cura' para suas doenças. Tbm teve a memória apagada sobre aquela vida. Ela estava dançando ao nosso redor com um vestido vermelho e incorporada conversamos um pouco com ela que estava muito desvitalizada. A presença de todos esses espíritos encarnados e daquele bolsão de espíritos na cidadela só poderia redundar nisso, a consulente sentindo no corpo físico as dores de outrora.

Apagamos a memória da consulente sobre aquela existência mas ela relutou e quando percebeu que eu ia fazer isso criou um livro onde estava colocando seu conhecimento sobre magia. Uma das médiuns percebeu e me informou, então eu ajudei ela a colocar tudo no livro, apaguei sua mente, e depois queimei o livro.

Incorporamos o carrasco que açoitava as pessoas para ela e tentamos encontrar uma vida onde a criatura fosse menos ruim, pois ele dizia que sempre foi mau e tal. A primeira vida que ele recordou era coroinha na igreja quando criança e roubava hóstia, tendo mais tarde virado amante do padre, e dizia que o maltratava. Procuramos outra vida e apareceu uma onde ele era um trabalhador humilde mas feliz, com esposa e dois filhos. A esposa e um dos filhos vieram e o levaram.

Nesse meio tempo uma das médiuns sentiu que estava sendo estrangulada por um ser com unhas compridas e sujas, magro e alto, orelhas pontiagudas e sem cabelo. Era outro serviçal da consulente no astral que cuidava de um calabouço. Ele atacou a médium dizendo que ela se atreveu a invadir os domínios de sua 'rainha' (a consulente). Tbm era um encarnado em desdobramento inconsciente, e que na vida atual foi namorado da consulente por algum tempo. No fundo a servia pq queria ver sua derrocada, fingia ser submisso mas se mantinha ali pq queria presenciar a queda da 'rainha'.

Pelas situações que apareceram já deu pra perceber que a consulente tinha alguma coisa de muito trevosa em seu passado e fomos mais a fundo, captando uma frequência onde ela fazia parte de uma seita que fazia sacrificíos rituais com seres humanos, principalmente crianças, e ainda devorava sua carne, ou seja, matavam as crianças e depois comiam sua carne e bebiam seu sangue. Havia uns trinta membros da seita fazendo isso em desdobramento, inclusive a consulente, e como ela, a maioria está encarnado atualmente.

Apagamos a mente dos encarnados e os reacoplamos, recolhemos as vitimas e os demais membros da seita que estavam desencarnados. Havia um ser que conduzia esses encarnados para esse local no astral e foi preso. Ele tinha um grande laboratório, com um cheiro muito forte de sangue, pedaços de corpos humanos, etc. Nessa hora eu me desdobrei e agi 'supraconsciente', indo até o laboratório e mostrando pra médium onde haviam coisas escondidas, passagens ocultas para outros ambientes, experimentos, etc.

A leitura dos dois atendimentos da consulente demonstra claramente que ela tem muitas frequências de vidas passadas similares, e que encontramos ela desdobrada agindo com muito ódio e crueldade, ou seja, é um espírito bastante comprometido carmicamente e que no íntimo, hoje, na vida atual, ainda não conseguiu se desvencilhar de ranços de poder, vaidade e orgulho.

Aqui vai um alerta: a consulente acredita que vai 'queimar' seu carma meditando. Ledo engano. Nenhum de nós vai conseguir apagar o mal que já fez, principalmente em proporções como as que vimos nessa consulente, sentando em forma de lótus meditando. As pessoas fantasiam muito que nossa parte 'divina', que a 'luz interior' que temos pode tudo e acham que depois de cometer todo tipo de atrocidade por várias vidas e até depois de morto no astral, ao primeiro sinal de dor basta lembrar que é um 'ser divino' para escapar do retorno cármico de seus próprios atos.

Bhuda conseguiu se realizar meditando? Pois é. Mas ele era o Bhuda. Sabe-se lá há quantas vidas ele vinha se preparando para conseguir essa proeza, de 'queimar' o restinho de carma que tinha dessa forma. Mas há casos e casos. Para nós o caminho é ajudar os demais, é fazer o bem aos outros, pq não vamos nessa existência nos livrar de todos os defeitos que carregamos há milênios. Então o caminho mais fácil é o da caridade.

Abraço.

Gelson Celistre.

Um comentário:

  1. Há um grupo de esotéricos aqui em B.Hte. que de tempos em tempos passa um fim de semana em algum tipo de pousada ou hotel-fazenda (aqui existem muitos) com o intuito de meditar, elevar-se espiritualmente e cada participante paga um preço elevado por isso - eles chamam a quantia de ''investimento''. Eu conheci alguns componentes desse grupo e todos eles acreditam piamente que com esses encontros estão ''queimando'' o karma. Todos eles tbm fizeram uma espécie de tratamento indicado por um outro grupo famoso na Net, de nome Kryon. Parece que esse tratamento consiste em retirar os 'aparelhos' e 'implantes' dos vários corpos das pessoas, 'apagar' o karma e tbm em negar os seus guias, passando a ser guiados pelos mestres ascencionados. Eu achei tudo mto ingênuo e mto fantasioso, uma bela "viagem na maionese". Eles acreditam tbm que já estão na lista daqueles ''escolhidos'', os que ''serão salvos''.
    O pior é que esse tipo de procedimento tem se tornado comum, pelo menos aki em MGerais - não sei qto às outras cidades. Acho que tem gente ganhando mto dinheiro com a ingenuidade/vaidade dessas pessoas.
    Thelma de Castro

    ResponderExcluir