sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Alerta aos médiuns de terreiro

Desentendimento entre familiares é algo muito comum pq uma das maneiras que as leis divinas tem de promover os ajustes entre desafetos é fazer com que nasçam na mesma família consanguínea, a fim de que os laços de sangue amenizem os sentimentos negativos existentes entre eles. É claro que nem sempre o resultado é muito positivo devido ao baixo grau evolutivo em que a família humana se encontra, ainda muito dominada pelas paixões e emoções inferiores, como ódio, egoísmo, orgulho, etc.

Esta foi a queixa inicial desta consulente, que 'não se dá bem com a família' e afirmou sentir muita mágoa e desconfiança de sua mãe. Disse ainda que quando começou a sentir isso sua mãe nada havia feito de extraordinário que pudesse originar esses sentimentos. A consulente revelou ainda que há cerca de três anos começou a sentir uma grande tristeza, chorava muito sem motivo aparente, e pensava muito em morrer. Tbm afirmou que sua vida estava boa e que não encontrava explicação para seu estado emocional. Logo depois disso descobriu que estava com câncer de mama, estando ainda em tratamento quimioterápico.

Quem recorre a feitiços, principalmente envolvendo sangue,
está fazendo um acordo com entidades malignas e vai ser cobrado por elas,
não só durante essa vida como depois de "morto" tbm, na dimensão astral.
Frequentou algum tempo um centro espírita na esperança de poder ajudar uma filha adolescente, pois esta começou a apresentar comportamento estranho, pesadelos recorrentes, crises que começam com formigamento nas mão e pés, deixando-a num estado quase 'epilético'. Na verdade o que ela tinha era mediunidade aflorando através de uma forte obsessão.

Inicialmente incorporou um ser que estava muito fraco, afirmando que estava dentro de um buraco escuro, sendo que bichos passavam sob seus pés e ele sentia muito frio. Ele estava meio perturbado mas aparentemente alguns seres o ludibriaram dizendo que ele poderia ver sua ex-esposa para o local onde o levariam mas ele só conseguia vê-la através de um vidro às vezes, o resto do tempo estava nesse buraco. Antes do tal 'convite' ele estava vagando pelo umbral. Descobrimos que ele morreu assassinado pela esposa, que o sufocou com um travesseiro enquanto ele dormia, em razão dele desconfiar de uma traição dela com um outro homem. Na realidade ele estava sempre ao lado dela, só que criaram um campo de força escuro ao redor dele e só eventualmente ele a via através do tal vidro. A esposa logicamente era a consulente. Foi resgatado.

Depois disso apareceram três entidades, uma feiticeira, uma senhora com ares elegantes e uma menina adolescente de uns 14 anos de idade. A mulher afirmava que a menina 'lhe pertencia' e a feiticeira maltratava essa menina, que estava com a roupa toda esfarrapada e chorava muito. Em vida passada essa menina foi vendida pela própria mãe para essa mulher, que a revendeu para um homem que abusou dela muito, tendo a levado ao óbito.  Essa menina era a consulente em desdobramento inconsciente e sua mãe na vida atual é a mesma que a vendeu na vida passada, daí a sensação de desconfiança e mágoa que ela não sabia de onde vinham. Mais uma situação de ressonância de vida passada, neste caso provavelmente potencializada pela feiticeira. Tratamos a menina e a tal feiticeira incorporou numa das médiuns. Enquanto eu conversava com ela outros médiuns já se deslocaram à região umbralina onde ela vivia e resgataram vários seres que ela mantinha aprisionados, principalmente crianças, depois destruíram o laboratório dela, um local onde havia muito sangue.

A consulente e sua filha (a tal com mediunidade aflorando) numa vida passada faziam rituais canibais onde mutilavam pessoas e comiam sua carne e bebiam o sangue. Havia um enorme bolsão de seres ligados a elas nessa frequência, vítimas em sua maioria, e vimos que a filha dela ainda ia frequentemente a este local em desdobramento inconsciente e devorava restos podres de outros seres com voracidade. Resgatamos os seres e apagamos essa lembrança da filha da consulente. Ouçam uma pequena parte da conversa que tivemos com essa feiticeira, que era uma velha conhecida da dupla mãe/filha, onde inclusive a entidade revelou que encontrou a consulente quando ela havia ido a um 'terreiro', coisa que ela não havia nos dito mas que depois confirmou. É um alerta aos médiuns desavisados e 'encantados' que se fascinam com as pretensas entidades que recebem sem ter a menor noção de para quem estão dando passagem. Essa feiticeira tinha 63 médiuns, ligados a terreiros, aos quais ela se apresentava com as mais diversas formas, como cabocla, preta-velha, etc.


*Deixamos claro que nada temos contra as religiões que cultuam essas entidades, inclusive em nossa equipe espiritual temos vários seres que se apresentam com essas roupagens fluídicas tbm, nosso alerta é para os médiuns que não possuem conhecimento e se deixam encantar pelos nomes apresentados sem o mínimo critério, logicamente em terreiros onde não se trabalha com a "Luz' mas sim onde quem impera são entidades trevosas que se ocultam atrás de nomes venerandos de entidades da Umbanda para negociarem com o espiritual.


Depois disso captamos outro ser, este estava num calabouço, só que não estava preso, era uma espécie de carcereiro, mas seu estado era lamentável, um farrapo humano. Ele incorporou e disse que estava muito feliz pelo 'inferno que virou a vida da consulente'. Conversando com ele descobrimos que a consulente e a filha eram ciganas e eram irmãs, tendo ele sido seduzido e se apaixonado por uma delas. Ele tinha um armazém, e elas o enganaram, o prenderam na própria casa, chamaram o resto do bando de ciganos e lhe roubaram. Após o assalto, com ele amarrado nu em uma cadeira, atearam fogo na casa com ele dentro e saíram gargalhando. Este ainda queria encontrar o resto do bando para se vingar e achamos por bem tbm fazê-lo esquecer essa vingança para que pudesse seguir com sua vida.

Na casa da consulente havia muitos feitiços e rituais sendo feitos no astral. Efetuamos um limpeza e recolhemos os seres. Uma das médiuns viu que a consulente mantinha um terço/rosário com contas de madeira em seu quarto e que esse objeto estava impregnado com uma energia muito densa. A consulente confirmou a existência do tal objeto e disse que o mantém na cabeceira de sua cama.
Ainda apareceu um espírito rindo no ambiente, totalmente dementado que foi colocado na casa da consulente para perturbar. Esse nem tinha condições de conversarmos, colocamos ele para dormir e a equipe espiritual o levou.

A consulente está purgando energias movimentadas por ela própria no passado, potencializadas por esta feiticeira que queria que ela (juntamente com a filha) voltasse a 'trabalhar' com ela e como tem resistido aos assédios da tal entidade, esta a tem atacado de diversas formas, a fim de obrigá-la a procurar na magia a solução, como ela já fez nessa vida, que foi quando a feiticeira a localizou. É preciso ter cuidado com a 'intenção' verdadeira que nos leva a querer alguma coisa, no caso a consulente procurou o tal terreiro para fazer um trabalho para algo que ela julgava ser um 'bem', mas o que a levou a buscar essa 'solução' foi o sentimento que carrega no íntimo de conseguir as coisas dessa maneira 'fácil', em razão de ter feito muito isso em vidas passadas.
Abraço.

Gelson Celistre

Um comentário:

  1. Quantos médiuns não andam por estes Ces fascinados, dando lugar a estes seres para que venham trabalhar de acordo com os objetivos deles.

    ResponderExcluir