sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Bolívia - O contragolpe

     O Movimiento Nacionalista Revolucionário (MNR) vence as eleições na Bolívia em 1951, elegendo Victor Paz como presidente. O então presidente Mamerto Urriolagoitia, para não perder o poder, decreta um autogolpe de estado, entregando o controle do país a uma Junta Militar. Mas as forças armadas estavam divididas e o MNR tentaria um contragolpe para impor o resultado das urnas, porém, sem muitas chances de sucesso. 
     A Bolívia vivia um clima tenso, onde havia discriminação racial e exploração das populações indígenas e mestiças de classe baixa (cholas), por parte dos descendentes de espanhóis, os crioullosAlém disso, o país vinha de duas derrotas em guerras recentes onde inclusive perdera partes de seu território para os países vencedores. O autogolpe acendeu o estopim da revolução. Alguns meses depois, já em 1952, o contragolpe do MNR acaba recebendo o apoio das milícias rebeldes e consegue tomar o poder.


     É nesse cenário que encontramos nosso consulente, que era então um militar fiel às forças do governo que decretara a Junta Militar que, nos poucos meses que esteve no poder, torturou e matou uma quantidade enorme de pessoas. Não bastasse o que fez na vida passada, o consulente se desdobrava e voltava ao seu antigo local de trabalho para torturar suas vítimas de outrora. Uma delas sentia muito ódio do consulente e foi preciso dialogarmos com ela. Era um homem que foi vitima das mais atrozes torturas, para resumir sua indignação ele apenas disse que para o torturador 'todos os orifícios do corpo eram utilizáveis'. 
     Conversamos com ele e fizemos ver uma vida anterior onde ele fazia a mesma coisa, tbm havia sido militar e torturador. É claro que isso não significa que o consulente não tenha adquirido karma com seu ato, pq ele agia com prazer nessa atividade, mas mostramos ao espírito obsessor para lhe tirar a razão da cobrança, posto que ele tbm já fez a mesma coisa, não tem direito de cobrar. Eram oito torturadores que se atuavam naquele local, dentre eles cinco, incluindo o consulente, eram encarnados atuando em desdobramento inconsciente.
     Quando se deu o contragolpe, o exército foi dissolvido e o consulente foi julgado, condenado e fuzilado. Na dimensão astral, devido ao 'peso' de seu perispírito, caiu direto para densas regiões umbralinas, onde foi escravizado. Era muito cruel e só foi resgatado por intercessão de um espírito feminino que fora sua esposa em uma outra vida passada. De sua prisão no umbral ele foi levado para um local onde recebeu uma espécie de 'lavagem cerebral' para retirar de sua mente os pensamentos malignos. Ficou um bom tempo nesse local. Ele recebia estímulos diversos, visuais, auditivos, etc., relacionado a coisas positivas, com a finalidade de 'programar' sua mente com coisas boas.
     Enquanto fazíamos essa averiguação, esse ser feminino apareceu e disse algumas coisas endereçadas ao consulente. Contou que nessa vida em que foram casados ele era uma pessoa boa. Ele era médico e químico e se revoltou pq ela morreu de uma doença que ele não conseguiu curar. Ele suicidou-se ingerindo um veneno que ele mesmo fabricou. Ela pediu que ele procurasse em seu íntimo sentimentos bons e aplicasse na sua vida atual. Foi feito o resgate das vítimas das torturas e tbm de soldados, de ambos os lados, que lutaram na revolução.
     Tbm apresentou-se um outro espírito feminino, que em uma outra vida foi namorada dele. Morreu assassinada por ele com uma facada no peito. Ele era uma espécie de serial killer canibal e no local que sintonizamos relacionado a esse espírito feminino havia outro bolsão de espíritos, todos vítimas do consulente. Havia corpos destroçados, mutilados, partes de corpos, etc. Todos foram resgatados.
     Das cinco entidades que acompanhavam o consulente, quatro eram seres muito trevosos, tinham orelhas pontiagudas, eram peludos e seus dentes eram agudos e proeminentes e parecia que não tinham os lábios, ficando a arcada dentária sempre exposta. Estas entidades eram ligadas principalmente à frequência canibal do consulente e se ligavam a ele através do quinto elemento, que era uma cigana.
     Esta cigana disse que em outra vida, numa época onde se utilizavam carruagens, ele fizera um pacto com ela, que na época estava desencarnada, para ficar rico. Ela cobrava o 'ourinho' que ele lhe devia. Não parecia ter má índole, sendo mais ignorante do que má. Conversei um pouco com ela, que disse que o consulente já fora cigano em outra vida passada e que ele saía do corpo como cigano. Perguntei sobre o bando cigano do qual ela fazia parte quando encarnada e ela disse que se perdeu do seu bando, e que seu pai era o líder do clã. Trouxemos o pai dela e ela imediatamente foi com ele.
     Vimos que nessa frequência onde ele se desdobrava como cigano ele ia obsidiar sua irmã da vida atual. Ele fora apaixonado por ela em outra existência e a deseja sexualmente. Ele se desdobra e vai atrás dela, que percebe a presença dele e finge dormir, pq se ela 'acordar' ele a possui sexualmente. Efetuamos o apagamento da memória inconsciente ativa dessa vida para tentar evitar essa obsessão.
     O consulente parece ter 'mediunidade de cura', que é a mais comum, onde a pessoa sente e absorve as energias dos espíritos. Não percebemos no consulente um interesse real em se modificar, mas sim a vontade de tentar utilizar a mediunidade que possui em potencial para uma finalidade que lhe pudesse trazer algum tipo de 'poder' e tbm curiosidade sobre suas vidas passadas, provavelmente querendo saber se já foi mago ou feiticeiro.
Abraço.

Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário