domingo, 12 de setembro de 2010

A bruxa

     Ao entrar na sala de atendimento, os médiuns viram a consulente vestindo uma capa, observando melhor perceberam chifres em sua cabeça e apurando mais a visão descobriram um outro espírito sobreposto a ela. Este ser era muito possessivo e afirmava que ela lhe pertencia. Nesse momento ele colocou na garganta dela uma espécie de coleira.


     Em uma vida passada onde a consulente foi uma poderosa bruxa, o tal ser era um homem de muitas posses, tendo ela então providenciado a morte da esposa e filhos desse homem e depois disso se 'casou' com ele. Uma vez que ela conseguiu dilapidar todo o patrimônio do sujeito ela o matou e 'emparedou' seu corpo em algum local de sua casa. Havia uma frequência dele ainda presa nessa parede. Junto a este ser havia muitos outros espíritos que morreram vitimados por essa bruxa, e que resgatamos. Enquanto conversávamos o homem que havia sido emparedade assumiu a forma de um imenso escorpião e começou a nos atacar.
     Desfiz essa forma 'animal' dele e o mantive numa forma humana. Como estava muito revoltado e não queria conversar, apagamos sua memória e o colocamos para dormir. Tbm havia uma outra bruxa junto da consuelnte, que havia sido 'assistente' dela naquela vida e que se tornara mais poderosa que ela, vindo a lhe matar.
     Uma mulher 'louca', rindo debochadamente e girando a própria cabeça 360º sobre os ombros tbm apareceu e afirmava que ela 'iria pagar' e que outros viriam atrás dela. Foi resgatada com mais um monte de pessoas num pântano lamacento das regiões umbralinas.
     Os médiuns ainda viram algumas outras vidas da consulente onde foram efetuados resgates, uma em que ela morreu criança num acidente de automóvel, uma outra em que ela era um pastor muito rígido que mandava inclusive os fiéis matarem quem não seguisse suas regras, mas que pregava durante o dia e à noite se depravava com todo tipo de abominação e uma outra vida em que era garçonete numa taverna e que colocava sonífero na bebida dos clientes para lhes roubar.
     Numa outra vida ela estava na igreja pronta para se casar e o pai do noivo invadiu o local e matou toda a família dela e o próprio filho, noivo, tendo ela saído correndo desesperada e se jogado num precipício. As duas famílias eram inimigas e ele não aceitou que o filho se casasse com a consulente. O espírito do assassino estava preso nessa situação no astral, sendo que 'desmanchamos' essa cena e o socorremos.
     Foi visto por um dos médiuns que a consulente estava se desdobrando com a aparência de uma sereia, com um rabo de peixe da cintura pra baixo e um corpo de mulher da cintura pra cima. Sua cauda era verde e seus cabelos longos e ornados com pérolas e pedrinhas coloridas. No meio de sua testa havia um búzio e o médium viu que aquela situação ocorreu quando ela consultou alguma cartomante ou pai-de-santo juntamente com uma amiga, mas provavelmente foi em outra existência.      De alguma forma nessa ocasião foi feita uma programação mental nela com esse propósito, dela se desdobrar como uma sereia, possivelmente para ser utilizada em algum culto aos orixás por entidades malignas. Restituímos a forma humana dela nessa frequência e a reintegramos ao seu conjunto psíquico. Outra médium viu no corpo astral desdobrado da consulente algumas garras de ferro presas às costas dela, que foram retiradas.
     Por fim, foi acessada a vida passada anterior a essa da consulente, onde ela morreu por volta  dos 17 anos de idade. Esse evento foi durante a Segunda Guerra Mundial. Nessa vida a consulente era filha de um conhecido médico em alguma cidade dos Países Aliados, na Europa, sendo sua família muito abastada, da parte dos familiares de sua mãe.
     Ocorre que ela viu seu pai cometendo adultério com uma enfermeira e contou à sua mãe, que pretendia abandoná-lo. Temendo um escândalo e a ruína financeira (quem tinha dinheiro era a mulher) ele a fez ingerir 'remédios' que provocaram a sua morte. A filha alardeou que o pai tinha matado a mãe e ele, para silenciá-la, a dopou com drogas e a internou como louca, convencendo a todos que a morte da mãe abalara a saúde mental da filha. Ela morreu quando uma bomba caiu sobre o sanatório onde ela estava internada.
     Esse sanatório ainda existia no astral e efetuamos um resgate coletivo no local, com o encaminhamento de muitos espíritos que se encontravam ali. Ela foi resgatada por uma equipe de socorristas, que lhe deram uma boneca e uma rosa (quando enlouqueceu ela andava sempre segurando uma boneca). Foi levada para um jardim onde foi assumindo uma forma de criança e foi encaminhada para reencarnação por dois adultos, juntamente com duas crianças.


Gelson Celistre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário