terça-feira, 2 de março de 2021

Para onde vamos

     O que acontece conosco após a morte é o que dá poder às religiões, que manipulam os fiéis com o céu e o inferno, recompensa ou castigo. Criam uma narrativa onde tudo de mal que acontece é culpa do demônio e as coisas boas são obra do deus que adoram. Isso não é apenas no cristianismo, todas as grande religiões mantém os fiéis no cabresto com a ameaça do inferno e a promessa da salvação. 

La Mappa dell’ Inferno – Sandro Botticelli

     Até em religiões reencarnacionistas como o espiritismo kardecista temos essa manipulação, onde o céu foi trocado pelas colônias espirituais e o inferno pelo umbral, sendo que a salvação vem através dos espíritos de luz, que são acessíveis aos meros mortais através de médiuns renomados, os únicos capazes de transmitir a verdade da terceira revelação divina, pois se colocam como herdeiros dos ensinamentos de Jesus, o espiritismo seria o Consolador prometido no Evangelho de João:  “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco.” (14:16).

    O espiritismo contribuiu muito para o conhecimento do outro lado, da próxima dimensão, a dimensão astral, mas ao enfatizar demasiadamente o aspecto religioso, dogmatizou vários ensinamentos e algumas situações  particulares foram tomadas como regra geral em muitos casos, por isso muita gente acredita que escolheu quem seriam seus pais antes de nascer, acreditam que tem uma missão, um mentor, um anjo da guarda, e que após a morte podem até passar um tempinho no umbral, mas basta se arrepender do que possam ter feito de mal, fazer uma prece sincera, e os seres de luz ou equipes socorristas virão lhe resgatar e levar para uma colônia espiritual.

    Efetuamos vários resgates nos últimos dias e um deles era justamente de uma mulher na idade da loba que era espírita kardecista e estava morta há 10 dias quando a resgatamos. Ela lutou contra o câncer por alguns anos, se recuperou, e de repente apareceu uma outra doença, foi hospitalizada em um dia e morreu no dia seguinte.

    Emiti os comandos para sintonizar um médium com a mulher e relatei que ela foi hospitalizada em um dia e morreu no outro, ao que ela já respondeu mentalmente para a médium, Como assim morri no dia seguinte? Não passei por tudo que passei para morrer de repente, tenho meu trabalho, pessoas que dependem de mim, sou uma sobrevivente, tenho uma vida para seguir.

    Pedi para ela ver onde estava e me dizer, mas ela disse que não via nada, que estava tudo escuro, se sentia presa, e que queria voltar. Ela estava em profunda negação e não queria aceitar que estava morta, por isso mantinha os olhos fechados pois em seu pensamento, se ela não visse a luz ela poderia voltar, não estaria morta. Não é o primeiro caso que nos deparamos com mortos que acreditam nisso, provavelmente por terem absorvido a ideia de algum filme.

    Essa mulher estava num lixão hospitalar, como já relatamos em outro post (lixo hospitalar espiritual, de 18/6/2020) que era um buraco no baixo astral onde havia cerca de 10.000 espíritos que morreram no mesmo hospital que ela. e ao redor desse buraco havia quatro insetos gigantes, parecendo baratas d'água, que se alimentam desses espíritos, comem seus corpos, mas selecionam os que não morreram de doenças, preferem os que morreram em função de algum acidente.

    Nós efetuamos o resgate dela e dos outros espíritos que estavam no lixão. As baratas gigantes eram espíritos humanos que praticavam canibalismo se alimentando dos espíritos do lixão e adquiriram essa forma. Também foram resgatados e retransformados em humanos. 

    Resgatamos também um homem que havia morrido há 3 dias. Tinha quase 70 anos, bebia e fumava muito. Foi hospitalizado e contraiu uma bactéria hospitalar que o levou a óbito. Ele estava num lixão hospitalar também, só que esse era muito maior pois recebia espíritos de 7 hospitais numa região entre São Paulo e Minas Gerais.

    Não gosto muito de falar em vales pois parece que só tem essa topografia nos livros espíritas e já nos deparamos com grandes planícies e desertos, mas nesse caso era um vale mesmo e ele estava literalmente cheio de pessoas amontoadas umas por cima das outras, uma visão dantesca pois eram mais de 500.000 espíritos, que foram todos resgatados por nossa equipe.

     Uma senhora que morreu há quase 10 anos estava aprisionada num terreiro sendo usada em feitiços, outra senhora morta há quase 20 anos estava aprisionada em uma cela pela esposa de um amante que ela teve em vida.

    Enfim, relatamos essas situações para alertar que a realidade é bem diferente do que é passado pela literatura de viés religioso, onde alguém sempre vem te salvar porque vc reza pela cartilha dele. A maioria das pessoas que morre não passa por nenhuma colônia espiritual, ficam vagando aqui na crosta entre os vivos ou caem para regiões mais densas do umbral, alguns ficam grudados aos familiares, outros procurando saciar seus vícios, etc.

Gelson Celistre


3 comentários:

  1. Essa questão sobre o que acreditar vai muit longe, então nem vou resumir no seguinte: o melhor que um ser ignorante como nós pode fazer é acreditar em algo que nos faça um ser humano melhor para todos. Não vou falar sobre a decepção que a pessoa pode sofrer no pós vida.

    Eu creio na verdade que o blog relata, porque a verdade é dura, porém é o que nos liberta. Não podemos e nem devemos fugir dela, entretanto... Ainda acho que falta um pouco de otimismo aqui, Gelson, rs

    Porque a sensação que passa é que o ser humano está num cliclo vicioso sem fim de ignorância! Que não há uma iniciativa por um universo melhor... Embora eu queira uma boa noticia, eu não le surpreenderei se a verdade for que a vida afinal é um enorme vazio sem sentido rs

    Mas de novo, isso não é uma negação do que é a verdade, mas sim uma preocupação em buscar o melhor caminho para uma evolução, e não ficar nesse mar de burrice eterna.

    Enfim... Será que é possível resgatarmos nosso karma de fato? Pq eu sinto que quando estamos mal, resgatamos, mas quando estamos bem, pioramos tudo! Um dia isso vai dar certo? Nem que sejam séculos de sofrência? Ou não temos jeito? Rs

    Obrigado pela atenção e pelo trabalho!

    ResponderExcluir
  2. Isso que tu disseste "... o ser humano está num ciclo vicioso sem fim de ignorância!" é a realidade da grande maioria da humanidade, simplesmente porque esse é o estado evolutivo da grande maioria da humanidade. Nós vivemos num mundo onde é preciso ter leis para que não se roube ou mate outra pessoa, onde uns se preocupam com quem os outros fazem sexo e que deus adoram, enfim, é só olhar ao redor para verificar que estamos num grau evolutivo muito primitivo, mal saímos da barbárie. A evolução espiritual não acompanha a evolução tecnológica. Sim um dia vamos sair desse cenário, mas cada uma a seu tempo.

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado pela atenção. Gostaria tbm de destacar que os comentários da página do Facebook são mto bons. Para quem visita o blog eu recomendo, ha muita coisa esclarecedora.

    Adorei un comentário desse mesmo post onde o Gelson comenta sobre a "galera do gratiluz" ahhahah

    Brincadeiras a parte, aquilo me fez compreender melhor que devemos nos preocupar com o futuro, mas ainda tem todo um passado que vamos resgatar e não pode ser ignorado. Isso justifica os infortunios que nos impressionam aqui nos relatos

    ResponderExcluir