sábado, 27 de junho de 2020

Pós-morte

     Os últimos posts que fizemos sobre resgate de pessoas no umbral repercutiram muito e percebemos pelos comentários que além das muitas dúvidas que as pessoas têm sobre o pós-morte, existe muita ilusão sobre o resgate em si, muitas achando que basta oração, outros achando que só quem foi muito ruim vai para um lugar desagradável no umbral, etc, então vamos tentar esclarecer um pouco essa questão.

      Primeiramente deve-se ter em conta que tivemos inúmeras reencarnações antes da atual e embora agora possamos ser pessoas boas, isso não elimina as coisas ruins que fizemos em vidas passadas, e todos temos karmas a resgatar, então não é só o que fomos nessa vida que vai determinar para onde vamos, também depende da bagagem kármica que trazemos de outras vidas.
      Todos temos um corpo espiritual, que chamamos de corpo astral ou perispírito, que reflete o nosso estado evolutivo. Os espíritos mais evoluídos possuem um corpo astral mais diáfano, etéreo, mais leve, enquanto que os espíritos menos evoluídos possuem um corpo astral mais denso, mais pesado.
     Essa densidade do nosso corpo astral é que vai determinar em que região da dimensão astral vamos parar após a morte do corpo físico. Não é algum ser divino que vai te julgar e determinar para onde você vai, é algo magnético, natural, é um fato que está sujeito às leis que regem o universo, é algo que acontece automaticamente sem intervenção de nenhum ser divino, ser de luz ou entidade qualquer.
      Então embora nessa vida, mesmo a pessoa falecida tendo sido uma pessoa boa, religiosa ou espiritualizada, isso não significa que depois de morta ela vá para os planos superiores. A pessoa vai para uma região do astral compatível com o peso específico de seu corpo astral, que para grande maioria é uma região que ficou conhecida como umbral através dos livros espíritas.
        Hoje resgatamos uma senhora que morreu há mais de três anos, tinha quase 90 anos, ela teve um AVC, caiu para trás e bateu com a cabeça, fraturou o crânio  e teve hemorragia cerebral, falecendo três meses depois. Sua filha achou que ela poderia estar numa região mais elevada já por ser uma pessoa espiritualizada.
      Essa senhora estava até meio irritada porque queria seguir, mas as filhas ficavam puxando ela. Disse que as filhas chamavam mais ela agora depois de morta do que quando ela estava viva.
    Ela não sofria nenhuma dor, tinha consciência de estar morta e queria seguir seu caminho, era até uma pessoa muito corajosa, pois ela viu alguns seres bem feios no umbral mas disse que não teria medo deles, que iria achar um jeito de sair dali.
      Pedi para ela me descrever o local onde ela estava e basicamente era uma grande planície árida, cinzenta, onde se via ao redor montanhas, mas muito distantes, e ela via em uma direção uma luz e queria ir para lá, mas as filhas puxavam ela e quando via ela estava ao lado de uma ou outra das filhas. Depois de algum tempo se via novamente nesse lugar e tentava seguir para a tal luz, andava um pouco, mas depois era puxada novamente pelas filhas.
    Nós por estarmos encarnados temos muita energia por conta da nossa massa corporal e o ectoplasma que produzimos, então se uma pessoa encarnada pensa muito num familiar falecido, lamentando sua morte e sentindo sua falta, ela o atrai para perto de si.
     Eu disse a ela que iria desligá-la das filhas e iria acompanhá-la até essa luz que ela via ao longe. Não demorou muito e ela soltou uma exclamação de satisfação, pois chegou em uma cidade de onde emanava muita luz, ela ficou alegre por alguns instantes, mas logo ficou decepcionada e começou a chorar, pois havia um  muro ao redor da cidade e um guardião que não a deixou entrar.
     Era uma cidade como qualquer uma daqui, com casas e alguns prédios mais altos numa região central.
     Conversei com o tal guardião e ele disse que não era qualquer um que podia entrar ali, que como ela era recém-falecida ainda estava com a energia muito densa e com ligações com os familiares, mas que depois de um tempo eles a aceitariam.
     Outro resgate recente que fizemos de uma senhora também idosa que morreu em casa no final do ano passado. Ela estava agachada em posição fetal com os olhos fechados desde que morreu, tinha medo de abrir e ver onde estava. 
     Quando lhe disse que ela estava em casa, ela abriu os olhos, viu que estava mesmo e já estava pensando no que fazer, disse que iria ficar ali mesmo, mas ela havia morrido de câncer e se ficasse ali em pouco tempo ficaria mal e cairia para alguma região mais densa, então lhe ofereci a oportunidade de ir para um hospital no astral que ela aceitou logo.
      Mas já pegamos vários casos onde a pessoa após a morte foi presa por obsessores e ficou sendo torturada, já resgatamos várias pessoas que morreram em ficaram vivendo com os familiares sem ter percebido que estavam mortas, outras estavam no hospital onde morreram acreditando ainda estar vivas, assim como outras que perceberam que estavam mortas mas não sabiam o que fazer nem para onde ir, enfim, são vários tipos de situações.
     A quantidade de pessoas que mortas que encontramos que já foram resgatadas depois de mortas é muito pequena, a maioria morre e renasce através dos mecanismos naturais da lei da reencarnação, sem nenhum controle sobre o processo.
     Algo muito comum de acontecer é um inimigo nascer filho do outro, pois o está obsidiando e essa ligação emocional forte que o deixa muito próximo faz com que o obsessor seja puxado para reencarnação quando a pessoa copula e ocorre uma fecundação.
     Então quer dizer que ninguém é resgatado para alguma colônia? Não. Muitas pessoas são resgatadas e vão para alguma colônia, mas esse não é o procedimento padrão, isso ocorre com uma minoria, pois essas colônias tem uma capacidade limitada para suportar pessoas com a vibração baixa, essas que são socorridas, então geralmente o fluxo nessas colônias é grande, a pessoa fica um tempo para se recuperar e já estão localizando alguém com ligação com ela aqui no físico onde possa reencarnar. Tem muito mais mortes do que a capacidade de resgate dessas colônias.
     Esse trabalho de resgate que fazemos é possível porque trabalhamos com resgates há mais de 15 anos, principalmente coletivos, já resgatamos milhões de espíritos, então temos um merecimento para efetuar esse tipo de trabalho. Somos o braço físico de uma grande equipe espiritual que está trabalhando ativamente na reurbanização do umbral e no processo de regeneração da Terra.

Gelson Celistre

2 comentários:

  1. O que aconteceu com essa senhora que nao pode entrar na colonia? Onde ela ficou até poderem aceitar ela?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela ficou em outro local sob cuidados de nossa equipe espiritual enquanto a cidade passava por uma reestruturação administrativa.

      Excluir