domingo, 29 de dezembro de 2019

O monstro do lago

      Em várias culturas encontramos criaturas míticas ou lendárias associadas a lagos. O mais famoso é o monstro do lago Ness, na Escócia, mas na antiguidade os gregos já tinham o Kraken. Este ser com o qual nos deparamos era uma figura bem estranha e poderia ser um primo da Medusa, pois da cintura pra baixo tinha o corpo de uma serpente, mas da cintura para cima parecia o Gollum Smeagol, dos filmes do Senhor dos Anéis.


       Este ser vivia na dimensão astral de um grande lago profundo e gelado na Suécia, o Lago Storsjön, onde existe a lenda de um monstro, Storsjöodjuret, o Monstro do Grande Lago, e o encontramos relacionado à vida passada de uma bruxa no final do século XVIII.   
       A criatura que encontramos não é exatamente igual às descrições do monstro lendário, mas provavelmente tem uma ligação com essa lenda e na dimensão astral era ele quem recebia as oferendas endereçadas ao monstro do lago. Na descrição mais comum ele tem um corpo de serpente com cerca de 10 metros de comprimento e uma cabeça de cão, mas também há relatos de que teria uma cabeça de gatou ou que seria uma serpente dragão.
      O fato é que naquela vida passada a nossa consulente, que era uma bruxa, sequestrava crianças e as afogava ritualisticamente nesse lago para uma criatura que ela adorava como a um deus. Durante a vida dela ela matou 63 crianças, incluindo bebês, para este ser. 
     Entretanto, quando efetuamos o resgate dos espíritos ofertados a esse deus mostro do lago, havia 456 vítimas, o que indica que outras pessoas também ofereceram sacrifícios a este ser além dessa bruxa que atendemos. Pelo que percebemos até agora na atualidade ainda existem pessoas que ofertam sacrifícios humanos para este ser do lago.
     Um fato interessante que nos foi informado por nossa equipe espiritual, é que as crianças que foram ofertadas a este ser, mesmo já tendo reencarnado, ficaram com a frequência aberta e ligadas a esse ser, que as vampirizava, e o efeito dessa vampirização é que aqui no físico essas crianças tinham leucemia.
      A criatura tentou evitar o resgate dos espíritos criando movimentos na água para tentar levá-las para o fundo, pois esses espíritos estavam todos flutuando pouco abaixo do nivel da água, uma cena semelhante a passagem pelos Pântanos Mortos no filme do Senhor dos Anéis:
"Caiu pesadamente sobre as mãos, que afundaram muito num lodo pegajoso, de modo que seu rosto ficou próximo à superfície do pântano escuro. Ouviu-se um chiado fraco, um cheirofético subiu, as luzes piscaram, dançaram e se contorceram. Por um momento a água embaixo dele ficou semelhante a uma janela, coberta por um vidro encardido, através do qual ele espiou. Arrancando as mãos do brejo, ele deu um salto para trás e gritou. – Há coisas mortas, rostosmortos na água." (O Senhor dos Anéis – A Passagem dos Pântanos)
     

           Após os resgate dos espíritos a criatura foi aprisionada. Já observamos em outras ocasiões que algumas lendas ou mitos encontram alguma correspondência com seres da dimensão astral associados a determinados locais, o que nos faz pensar que alguns desses locais, notadamente os lagos profundos, funcionam como uma espécie de portal interdimensional por onde algumas pessoas conseguem se conectar ou observar seres de outras dimensões, daí surgindo as lendas de monstros.

Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário