terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Amor e ódio

A consulente relata não saber o motivo de ter se casado. O marido (estão processo de divórcio) era do tipo dominador e tiveram uma relação muito conturbada emocional e financeiramente, com vários episódios de violência doméstica onde, segundo ela, ele tentou matá-la. 
Afirma tbm que mesmo desejando, demorou muitos anos até conseguir se separar do marido. Relata tbm que a sogra fez muitos "trabalhos", inclusive de "amarração", para ela não conseguir se separar. Ela diz que: "Eu não entendo porque este homem ao qual casei, me odeia tanto me persegue tanto e o que eu faço para tirar ele da minha vida, pois eu necessito de uma vida." 
Tanto o amor quanto o ódio nos aprisionam
às pessoas com  as quais nos relacionamos.
Depois da separação acordava com as pernas e braços roxos e com muito cansaço. Frequentemente sentia tonturas, exaqueca, falta de ar, etc. A consulente andou em vários terreiros e fez muitos trabalhos, supostamente para desfazer o que o marido ou a sogra haviam feito. Segundo ela após ter assistido uma missa numa igreja "milagrosa", onde foi queimada pela água benta jogada pelo padre na platéia, levou uma vela para casa e quando esta terminou de queimar apareceu um "coração preto" no prato onde estava a tal vela. Ainda relata vários episódios envolvendo médiuns, terreiros, banhos, trabalhos, etc., que ela teria procurado, mas já deu para ter uma noção da situação em que ela se encontrava.
A consulente tbm fez uma apometria à distância, onde lhe recomendaram a leitura do Capítulo VII, item 8, do Evangelho Segundo o Espiritismo, que trata da humildade, e outras recomendações, muito acertadas, como mudança de atitudes, ficar atenta aos pensamentos e comportamentos, etc. Tbm lhe disseram que "...todos foram orientados, amparados e encaminhados espiritualmente."
Inicialmente vale ressaltar que nossa vida é muito dinâmica e a todo instante estamos gerando novos karmas, tanto positivos quanto negativos, e tbm resgatando karmas. Em determinado momento a pessoa pode não ter merecimento para que alguns de seus problemas sejam tratados espiritualmente, isso pq dependem ainda de atitudes (ações) que envolvem a própria pessoa e os demais espíritos envolvidos.
Já em outro momento ela pode ter obtido merecimento para que outras coisas sejam tratadas. Tbm é preciso observar que nem todos os grupos possuem as mesmas condições de tratamento, e tbm nem todos atuam da mesma forma, mesmo utilizando as técnicas da apometria. No atendimento que fizemos encontramos a consulente desdobrada em várias frequências no astral, tratamos as que foram possíveis, mas muitas ainda dependem de atitudes dela, principalmente da própria evangelização. Tbm encaminhamos vários seres que a acompanhavam (obessores).
Vamos relatar abaixo, sinteticamente, as situações que encontramos no atendimento da consulente: 


A bruxa
Junto da consulente estava um espírito feminino muito nervosa com a consulente. O motivo era que a consulente em vida passada a procurou para que ela fizesse um trabalho de amarração para que um certo homem ficasse com ela "pra sempre", e agora a está perseguindo por querer se livrar dele. Ou seja, um caso de obsessão de encarnado para desencarnado.
O tal homem da vida passada é o mesmo que na vida atual foi marido dela e do qual ela está em processo de separação. Logo que percebemos a gira a consulente apareceu desdobrada como uma bruxa, cabelos desgrenhados e totalmente enfurecida comigo por livrar a gira de suas garras. 
A consulente desdobrada como bruxa me disse o seguinte:
- Não se meta comigo aqui ou vc vai pagar! Fique quieto aí no seu canto ou já já eu furo seus olhos e costuro tua boca!
Apaguei da mente dela essa frequência e a acoplei de volta no corpo físico.


O diabo
Enquanto enviava a bruxa de volta ao corpo a médium ouvia uma risada sinistra. Era um ser com a aparência "tradicional" do diabo: pernas peludas com patas de bode, um rabo comprido e grandes chifres enrolados. A parte de cima do corpo dele apresenta uma pele muito escura. 
Este ser era aliado da consulente (bruxa) e estava fazendo um favor a ela, mantendo o ex-marido dela preso em uma caverna, junto com vários outros espíritos. A criatura tentou me intimidar mas como estava com pressa não deu pra conversar muito, cortei os chifres e o rabo dele e retirei os pelos que ele tinha no corpo. 
Após isso libertamos os espíritos presos na tal caverna onde ele habitava, inclusive o ex-marido, que estava amarrado e amordaçado, sentado no chão e escorado na parede da caverna. Foi retirado e encaminhado de volta ao corpo físico. O tal diabo foi preso e levado por um de nossos guardiões e a caverna foi destruída.


O poço
Em seguida foi visto uma mulher jovem dentro de um poço, ela gritava desesperadamente para que alguém a ajude a sair dali. Quem a jogou nesse poço foi seu marido. Ele a pegou em flagrante o traindo com outro homem e reagiu violentamente. Ele cortou os genitais do amante da esposa e jogou para os cães comerem, e deixou o homem agonizando durante um bom tempo antes de matá-lo. Na esposa ele bateu muito e depois a jogou nesse poço, onde ela morreu.
Estavam nessa frequência a consulente, que era a mulher, o ex-marido atual que era o marido traído, e o amante que foi castrado e morto. Atualmente todos são encarnados, mas estavam sintonizados com essa vida passada. O amante da mulher que foi castrado atualmente mantém uma relação homossexual com o ex-marido da consulente.
Apagamos das mentes deles essa lembrança, pois estavam em ressonância com essa vida passada, e os enviamos de volta ao corpo.


O cabaré
A consulente foi prostituta em uma vida passada e trabalhava num cabaré. Era jovem e bonita e, apesar de sentir nojo de um velho fazendeiro rico que frequentava o cabaré, viúvo e solitário, o fez se apaixonar por ela, a ponto dele a tirar da zona e casar com ela.
Ocorre que ela arrumou um amante, jovem como ela, e um determinado dia o velho fazendeiro os encontrou fazendo sexo no celeiro. O velho sacou eu revólver para atirar no amante mas este foi muito rápido, desarmou o velho e acabou matando-o. Eles ficaram com a fazenda e com o todo o dinheiro do velho. Mas o espírito do velho ficou muito tempo ali depois de morto obsidiando o casal, especialmente a prostituta que ele tomou como esposa e que o traiu.
Novamente encontramos desdobrados e em ressonância com uma vida passada o mesmo trio de antes, a consulente era a prostituta, o o ex-marido atual era o velho fazendeiro e o jovem amante dela naquela vida é o jovem com quem o marido mantem uma relação atualmente. Apagamos da mente de todos essa frequência e os encaminhamos de volta aos seus corpos físicos.


O culto satânico
Vimos um casal vestido de preto oficiando um ritual, um culto satânico. Havia muitos animais mortos no local, muito sangue no chão, mas não eram apenas animais que eles matavam. Eles faziam sacrifícios humanos e várias das pessoas que eles mataram nesses rituais estavam ainda presas no astral pelo ser demoníaco ao qual o casal de bruxos estava ligado.
Uma das vítimas dos rituais quando percebeu nossa aproximação disse:
- Não ajudem eles pq eles não merecem! Eles não são vítimas de nada e sim algozes! Justiça... é o que queremos todos aqui!
Além desse ser havia vários outros, odiando o casal de bruxos e querendo vingança. Apagamos a mente de todos e os colocamos numa bolha para serem transportados. Já o tal demônio, que estava se escondendo para ver qual seria nossa reação, apareceu e tentou evitar o resgate dos espíritos que estavam presos ali.
O tal demônio colocou vários demoniozinhos pretos, com asas e olhos vermelhos, perto de mim e desmanchou a bolha que a médium tinha criado para resgatar os espíritos. Além dos bichinhos me atacando, tbm a bruxa que oficiava o ritual apareceu e começou a me atacar tbm, jogando uma energia escura em minha direção.
A médium, utilizando uma supraconsciência sua de índia, prendeu a mulher e encaminhou os espíritos que precisavam ser resgatados, enquanto eu com uma supraconsciência de mago enfrentei o tal demônio, que logo que a bruxa foi presa, tentou utilizar a energia do bruxo contra mim, sem sucesso. Todos foram presos. 
O demônio foi levado preso e o casal de bruxos, que oficiava os rituais do culto satânico, tiveram suas mentes apagadas e foram enviado de volta a seus corpos físicos. Vc já devem ter deduzido que o tal casal de bruxos são a consulente e seu ex-marido.


Recomendações
A consulente tem ainda várias frequência abertas, mas ainda não tem merecimento para que sejam tratadas. Ela se envolveu com muitas pessoas (médiuns, terreiros, etc.) querendo "resolver" o problema dela e o que fez foi piorar o que já era ruim. Quanto mais ela procurar pelas "soluções" fáceis do tipo "trabalhos" de magia (negra) mais vai se conectar com frequências de passado onde fez coisas muito ruins para os outros e vai trazer para a existência atual energias com as quais não vai saber lidar. Não existem "atalhos" para este tipo de situação, é preciso ter paciência, aceitar aquilo que não pode ser modificado e fazer com determinação o que precisa ser feito.
Tanto ela quanto o ex-marido e seu atual companheiro, são espíritos que estão há centenas de anos em processo de reajuste, mas cada vez que se encontram só o que conseguem é piorar sua situação kármica. Todos eles já foram vítimas e algozes uns dos outros. E em muitas das vidas, onde não brigavam entre si, se uniam para fazer o mal, gerando karmas negativos muito "pesados".
É bastante provável ainda que a consulente tenha mediunidade, em grau quase ostensivo, e isso, juntamente com o descontrole emocional pelo qual ela está passando, tbm facilita essas aberturas de frequência. Mediunidade não é dom, é karma, e precisa ser educada e posta a serviço da caridade desinteressada. Só assim o médium consegue obter merecimento para que seja auxiliado, auxiliando o seu próximo.
É preciso ter em mente que nem sempre nos aproximamos de outras pessoas, amigos, namoradas, companheiras, etc, por termos uma afinidade positiva. O sentimentos negativos ou tumultuados tbm nos mantém unidos a outros espíritos e provocam encontros que nem sempre terminam de maneira positiva. 
Na maioria das vezes temos sentimentos diversos por uma mesma pessoa, alguns bons de vidas onde nos demos bem e outros negativos de vidas onde não fomos felizes. Amor e ódio nos aprisionam de igual modo àqueles com os quais nos relacionamos. É por isso que precisamos exercitar o verdadeiro perdão, pois só assim nos libertaremos desses sentimentos negativos.
Todos queremos ser felizes mas nem todos vamos conseguir isso. Estamos aqui na Terra neste momento pq ainda não aprendemos a lição. Só vamos deixar de sofrer quando aprendermos a respeitar nosso próximo. A felicidade só virá quando aprendermos a amar o próximo. 


Abraço.


Gelson Celistre

4 comentários:

  1. Oi Gelson.
    Pelo fato de se abrir essas frequências relacionadas à vidas passadas, mesmo que o indivíduo tenha esclarecimento, acaba caindo em um circulo vicioso de matar, ser morto e fazer o mal, que por tendência tem só a piorar o estado dele. Imagine para pessoas que não sabem nada a respeito. Como conseguir superar isto, se tem tanto que puxa para baixo?

    ResponderExcluir
  2. Pois é. Não tem atalho para o caminho que tem que seguir, só evoluindo espiritualmente.
    A gente só faz o mal em desdobramento se no íntimo a maldade ainda estiver em nós. É preciso se observar e se analisar, se conhecer, para identificar os sentimentos que precisam ser trabalhados e modificados.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Gelson, um pouco do que se pode perceber, veja só.
    Sou um cara pesquisador por natureza, já passei pelo Rosa Cruz, Magia Negra (acompanhei minha avó), Gnose, Espiritismo segundo Kardek, e muita literatura tando de livros como na internet. Tenho por natureza repudiar completamente tirar a vida de alguém, não gosto de ver animal sofrendo, e até de árvores tenho o pesar caso tenha que cortar alguma, com seus relatos, sei claramente que devo ter um passado tenebroso, afirmo isso pois no fundo do meu ser sinto que tenho certa "satisfação" por algumas cenas tenebrosas, tais como envolvendo sexo com entidades tenebrosas. Senti isso quando vi alguns desenhos animes. Senti um frio quando analisei esse sentimento com minha consciência, ou seja, percebia claramente a vivência naquele momento de dois seres dentro de mim, um que analisava os sentimentos, (provavelmente minha consciência) e um que tinha fascínio por aquelas cenas. Tive medo de explorar mais os sentimentos, talvez pelo fato de que fosse me deixar levar por eles, uma vez que aparentemente eram muito fortes, provavelmente de alguma frequência minha que vive nas trevas naquele meio. Como trabalhar isto, somente reprimir os sentimentos? como explorar e libertar essas amarras tenebrosas? Talvez não seja a hora ainda de mexer com isso, mas sinto que esse trabalho vai ser necessário um dia, pois acredito que parte de minha consciência está presa lá. Por enquanto prefiro evitar ver tais cenas para não ligar mais fortemente à isso que sinto.
    Acho um trabalho grandioso esse que você faz, tanto para liberar o sofrimento das pessoas, encaminhar necessitados e os trevosos para sair desse vício do mal, e não menos importante o de divulgar esse trabalho. Acredito que se houvesse mais pessoas "corajosas" para fazer esse trabalho, teríamos um mundo em melhores condições.
    Que o criador lhe dê muitas forças para você e os médius que trabalham contigo.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Oi Mike,

    Reprimir não resolve o problema, embora seja necessário cfe o caso. Se vc já identificou uma tendência negativa o próximo passo é tratá-la. Não existe uma fórmula mágica pra isso, o que vc tem que fazer inicialmente é rejeitar essa tendência negativa de forma consciente.
    Se fizer isso com bastante convicção e realmente desejando, vai criar um conflito interno e se estiver em alguma frequência fazendo essa coisa negativa, isso vai surgir, seja como pensamentos em vigília, seja como recordações de sonhos.
    É possível que isso te cause algum desequilíbrio energético-emocional pois geralmente não estamos sós nessas frequências, mas assim vc expõe o problema e pode combatê-lo mais abertamente.
    Abraço.

    ResponderExcluir