sexta-feira, 23 de março de 2018

O incesto e a maldição do bispo

     O incesto, união sexual ilícita entre parentes consanguíneos, afins ou adotivos, segundo o dicionário Aurélio, é um tema ainda hoje tido como tabu na maioria das sociedades. Em um atendimento recente nos deparamos com um caso que envolvia incesto entre irmãos consanguíneos, numa época onde isso era algo impensável e inadmissível, principalmente para uma família de posses e pertencente à alta classe da sociedade.


     O fato ocorreu em uma família tradicional e de muitas posses, onde entre um casal de irmãos aflorou um sentimento muito forte, sendo que a impossibilidade de viver esse amor os levou a ruína. Eram três irmãos, dois meninos e uma menina, ela alguns anos mais nova que os outros. 
     A casa da família era frequentada por pessoas influentes na sociedade, inclusive por um bispo da igreja católica. Este, ávido para abocanhar o que pudesse da fortuna da família, observou que entre o casal de irmãos havia alguma coisa diferente e por meio de um padre com quem os jovens se confessavam, ficou sabendo do amor ilícito entre eles. Na ocasião a menina tinha por volta de 15 anos.
     Esse bispo então vislumbrou uma maneira de obter lucro com essa informação e procurou o jovem casal oferecendo a eles uma solução para o problema, considerado um pecado grave pela igreja. Já que nessa vida eles não poderiam nunca se casar ou se relacionar perante os olhos de Deus e da sociedade, a solução seria eles morrerem e renascerem novamente, se reencontrando em outra vida não como irmãos ou parentes, coisa que ele como bispo e representante de Deus poderia conseguir, mediante um pacto.
     O bispo convenceu os jovens de que precisariam matar seus pais e o outro irmão, tornando-se assim os únicos herdeiros da fortuna da família, depois eles cometeriam suicídio e a fortuna seria ser doada à igreja, mediante um testamento. Com isso eles conseguiriam "comprar" a absolvição de seus pecados, iriam renascer e poderiam se amar sem impedimentos. Os jovens aceitaram a proposta, mas não como o bispo imaginara.
     Eles iriam sim assassinar seus familiares, mas não iriam se matar, ao invés disso iriam viver seu amor clandestinamente, pois sem os pais e o irmão, e com a fortuna da família à sua disposição, ninguém saberia de seus atos, a não ser quem teve a ideia, que foi o bispo, então ele deveria ser morto também. O desespero dos jovens era porque a menina estava grávida e logo o volume de sua barriga iria obrigá-la a revelar quem a tinha engravidado, o que seria um escândalo de enormes proporções, principalmente por ter sido seu irmão.
     O bispo forneceu a eles um veneno que deveriam usar para matar os familiares e eles assim o fizeram, envenenaram os pais e o irmão. O resto do plano seria algum tempo depois eles se suicidarem e deixarem a herança para a igreja. Eles seguiram seu próprio plano, assassinando o bispo. O caminho agora estava livre para eles. Porém, o bispo antevendo uma possível traição dos jovens, já os tinha envenenado sem que eles soubessem, e assim todos morreram.
     Mas o ritual com o pacto de reencontro em uma vida futura já havia sido feito, e foi bem feito, pois várias vidas após ainda estava funcionando, chamamos isso de arquepadia, quando um feitiço feito há muito tempo continua atuante. Verificamos que em suas vidas posteriores àquela, o casal sempre se encontrava, só que também sempre acontecia alguma coisa e eles acabavam se afastando, mesmo desejando ficar juntos, algo os atraía e afastava ao mesmo tempo, provocando angústia e dor a eles. A causa disso é que o bispo, após ser traído e morto pelo jovem casal, lançou uma maldição sobre o pacto e o alterou, de forma a provocar que eles se encontrassem mas não ficassem juntos.
     Foram vistas umas seis vidas do casal onde isso aconteceu, fora a vida atual onde eles vivem essa mesma situação. Se encontraram, se casaram, e o jovem que é viciado em drogas desaparece de casa por meses, eventualmente liga e diz que vai voltar, mas não aparece. A jovem, que era a consulente, disse sentir que existe algo que os une, algo que foi acordado antes do nascimento, como se fossem almas gêmeas ou algo do tipo. 
     Na realidade ele tinha a intuição sim de que havia um contrato, um pacto entre eles, mas fantasiava essa situação acreditando que Deus os tinha predestinado a viverem juntos e que não poderia se separar dele. Na dimensão astral, em desdobramento, eles tinham várias frequências abertas. A consulente afirmou ter medo e pavor de violência, tanto que chega a sonhar com pessoas ensanguentadas e isso lhe causa um grande mal-estar, só que esses sonhos eram lembranças do que ela estava fazendo em desdobramento, pois numa vida passada ela foi um serial killer que matava, mutilava e comia pessoas e bebia seu sangue. O rapaz por ser usuário de drogas e ser um espírito de baixa evolução tem uma energia horrível. Ele se apresentou em desdobramento na hora do atendimento e cheirava a algo podre. 
      Em outra frequência aberta a consulente foi uma cigana feiticeira que tinha obsessão pela beleza. Por conta disso ela matava jovens belas e bebia seu sangue, com intuito de se manter jovem. De bebês ela comia o coração. Acabou matando a filha de um cigano muito rico e ele veio a descobrir que foi ela. Ele a cortou em pedaços literalmente, sem a deixar morrer, e por fim, depois de muito mutilada, ele a queimou viva. 
     Esse espírito estava perseguindo ela há cinco vidas, com um ódio muito grande, para impedir que ela voltasse a fazer o que fez com a filha dele. Naquela vida ela tinha um punhal com o qual matava as vitimas e na vida atual ela usa um colar no pescoço com um pingente, que gosta muito, e esse pingente era um link para ela acessar aquela frequência e o tal punhal, que ainda existia no astral por conta da energia agregada. Apagamos a mente do velho cigano e destruímos o punhal da consulente, que no astral se desdobrou enlouquecida e teve que ser contida pela nossa equipe e levada para tratamento.
      Por suas atitudes o rapaz já demonstrou que não tem valores familiares nem responsabilidade, pois eles têm um filho e quem sustenta e mantém a consulente e o filho são seus familiares, pois ele desaparece e não manda dinheiro nem dá notícias, além de já ter tido um relacionamento com uma mulher casada, cujo marido quase o matou. Essa mulher acabou se separando e passou a perturbar a consulente, não só com inúmeros trabalhos de magia negra, como indo procurar os familiares do jovem pedindo ajuda, pois por causa dele perdeu o casamento.
      Em resumo, a consulente queria uma solução para seu caso e, apesar de deixar claro para ela que a decisão é e deve ser dela, nos obrigamos a dizer que
ele sumir e não aparecer por longo tempo não é uma perda e sim um "livramento".
      O que podíamos fazer foi feito, desfizemos o pacto e a maldição do bispo, ele estava no astral sem reencarnar e já nem tinha mais corpo astral, era apenas uma nuvem negra, e foi preso. Fechamos as frequências da consulente e do marido e fechamos inúmeros portais que havia na casa dela e que a ligava com ele em várias frequências.
      Por conta do histórico kármico de ambos os espíritos, a consulente e seu marido, que são o casal de irmãos incestuoso, e pelo estado dele atualmente, principalmente considerando que ela tem um filho para criar, nos parece que seria melhor ela se manter afastada dele.

Gelson Celistre 

Nenhum comentário:

Postar um comentário