segunda-feira, 16 de abril de 2012

Os canibais de Pernambuco - Parte 1/2

Na semana passada vários jornais noticiaram um caso de canibalismo ocorrido em Pernambuco, onde um homem e duas mulheres foram acusados de matar e comer a carne de várias mulheres, além de fazerem coxinhas e empadas com a carne das vítimas e vender na cidade de Garanhuns, local onde foram presos e achados restos dos corpos de duas mulheres enterrados no quintal dos acusados. O trio supostamente fazia parte de uma seita e matavam mulheres que pare eles eram impuras e que estariam superpovoando o mundo.

Num caso assim, envolvendo a morte de seres humanos, e ainda de forma macabra e ritualística, é evidente a ação de espíritos das trevas trabalhando em conjunto com as pessoas encarnadas e em razão disso resolvemos averiguar, para identificar os seres envolvidos e tirá-los de circulação. 

Brasil, 2012

Ao ver uma foto do local onde foram encontrados uma médium sentiu um forte mal-estar e viu uma criatura humanóide com aparência demoníaca: o corpo todo vermelho, os olhos negros, tem dentes pontiagudos e garras em vez de mãos, que ele utiliza para rasgar a carne das vítimas. Este ser demoníaco estava ali vigiando as partes dos corpos que foram enterradas. Logo que percebeu nossa presença ele se manifestou pela psicofonia de uma das médiuns dizendo:

- Vc não sabe onde está se metendo e se continuar vai pagar, assim como todos os outros que tentaram me impedir! Acham que acabou mas ainda não terminou e ninguém vai me impedir de continuar! Quanto mais tentarem impedir mais força terei, pq as pessoas temem o que não conhecem e quanto mais medo elas têm mais forte eu fico!

- Aham, só que agora acabou pra ti querido, toda energia que tu vampirizou vai deixar teu corpo agora, respondi, vc vai ficar apenas com o que te pertence por direito!

- Não adianta tentar, já disse que ninguém vai me impedir!

- Então observa teu corpo se desmanchando e a energia se esvaindo...

- O que pensa que faz? Vai pagar caro...

Neste momento ele caiu no chão com a respiração ofegante e com o corpo coberto de manchas escuras. Foi preso e levado dali por nossa equipe espiritual. Do local no plano físico onde estavam os corpos das vítimas passamos a um local do astral onde havia montes de ossos amontoados no chão e restos de corpos deteriorados e enegrecidos. A energia do local era pesada e exalava um cheiro pútrido, misturado a gemidos de medo e pavor. Ao fundo se ouvia uma ladainha cantarolada ao ritmo de um chocalho. 

Criamos logo uma bolha energética para transportas os inúmeros espíritos deformados e aprisionados ali por aquele ser demoníaco. Nesse momento uma das médiuns teve a visão de um dos rituais praticados pelo trio de canibais aqui no plano físico. Havia uma moça amarrada e amordaçada jogada no chão, chorando muito e apavorada. Ao lado da moça a mulher mais velha e o ser que prendemos. No local havia velhas, cruzes e vasilhas com sangue.

Mas não era apenas esse ser que prendemos que inspirava a mulher. Havia uma outra energia, essa de natureza mental, sendo irradiada sobre a mulher. Começamos a rastrear essa energia que tentava se ocultar mas por fim a médium conseguiu se conectar e nesse instante fomos transportados para outra região do astral.

Chegamos num imenso vale onde havia milhares de corpos e partes de corpos deteriorados, amontoados até onde nossa visão alcançava e seres meio humanos meio animais se alimentavam desses corpos. O cheiro era horrível e nesse vale havia um pequeno córrego, só que o líquido que escorria por ele era sangue.

Imobilizamos os seres e os prendemos, enquanto nossa equipe providenciava a remoção dos corpos dos espíritos ali. Após morrerem no plano físico de forma ritualística e sofrerem o ato de canibalismo, suas mentes ficaram presas nessa situação, onde seus corpos eram devorados por aqueles seres.

A médium voltou a ouvir a ladainha e foi transportada para outra frequência do astral. Era um local fechado, parecendo uma caverna, mas com paredes feitas de blocos de pedra, com nichos enormes, onde seres escuros ocultavam-se na escuridão. Havia um homem lá, descalço, pele escura e enrugada, baixa estatura e nu da cintura pra cima. Era um feiticeiro tribal. 

O feiticeiro começou a entoar a tal ladainha e os seres escuros nas paredes se juntaram a ele, que com alguns movimentos das mãos criou várias energias ao seu redor. Criou tbm dois bastões, que cruzou sobre o próprio peito, e que passaram a irradiar uma energia em nossa direção, era a energia dos mortos, que o feiticeiro acumulava há séculos. Mas o derrubamos e o paralisamos, ao mesmo tempo que nossa equipe prendia os seres escuros.

Nossa equipe espiritual ainda estava trabalhando na remoção dos milhares de corpos no vale enquanto nos dirigimos a residência onde morava o trio de canibais, para isolar o local, evitando que outros seres se aproveitem da energia que as pessoas inconscientemente irradiam para o local e que acaba reforçando as energias negativas que já haviam ali por conta dos acontecimentos.

Essas situações ligadas ao trio de canibais no astral envolviam uma quantidade imensa de espíritos sofredores, vítimas não só dessas pessoas, mas de várias outras ao redor do mundo ligadas ao primeiro ser, aquele todo vermelho, e ao tal feiticeiro. Entretanto, apesar de milhares de espíritos terem sido resgatados nessas frequências, ainda havia mais coisas ligadas aos canibais de Pernambuco e, rastreando suas últimas existências, nos deparamos com outras situações igualmente tenebrosas.

Colômbia, 1677

Um homem forte, vestindo calça preta, sem camisa, e com um gorro preto na cabeça, parecendo uma touca de ninja onde só se enxerga os olhos, esquarteja tranquilamente um corpo humano sobre uma mesa de madeira, usando um cutelo. É um carrasco.

Próximo dali vários outros homens sentados no chão comem avidamente pedaços de corpos humanos. São homens "normais" mas que por conta de um feitiço pensam que são animais, algum tipo de demônio, se vêem com presas pontiagudas e sentem uma fome insaciável de carne humana.

Após comerem essas pessoas são presas em pequenas celas, como se fosse um estábulo. Uma mopça passa perto do esquartejador com um carrinho de madeira e recolhe os pedaços dos corpos, levando para esse estábulo onde estão os animais-demônio e joga os pedaços de corpos humanos dentro das celas deles, para que comam mais.

O esquartejador e a moça que recolhe os pedaços dos corpos são irmãos. A chefe da família é a mãe deles, uma velha bruxa. Foi ela que enfeitiçou os homens que eles criam como animais-demônio canibais. A velha fez com que seu filho, o carrasco, matasse seu marido, o próprio pai, e o esquartejasse. 

Mas essa família de loucos vivia próxima a uma aldeia e os boatos das atividades deles corria solto entre os aldeões, ainda mais com várias pessoas desaparecendo, principalmente crianças. Revoltados e apavorados, os aldeões se reuniram uma noite e resolveram incendiar a casa da bruxa.

Uma turba ensandecida atravessou a floresta e ateou fogo na casa. Acuados e impedidos de sair, a familia de loucos virou cinza, assim como as pessoas enfeitiçadas que eles estavam tentando transformar em animais.

Nesse momento a velha bruxa apareceu enlouquecida de ódio. Ela sabia estar encarnada agora, estava ali desdobrada, e dizia que não iríamos impedi-la, que ninguém conseguiu, etc. Chegou a me dizer que eu nada podia fazer com ela pq tbm estava encarnado, o que demonstra que ela em desdobramento tinha muita consciência de seu estado e do que fazia. Apagamos a mente dela e a reacoplamos em seu corpo físico.

Após a morte de sua família, a bruxa ficou infernizando a vida dos moradores da aldeia do astral. Queria se vingar de todos. Os homens que ela estava animalizando e que comiam carne humana viraram no astral uma espécie de demônios, aqueles que encontramos no vale dos ossos anteriormente, e tinham muita energia.

Ela chegou a conseguir matar alguns aldeões com a energia desses demônios. Um deles se agarrou na garganta de um dos homens que haviam incendiado a casa da velha bruxa e o estrangulou, vindo o tal homem a morrer sufocado, sendo imediatamente preso pelo espírito-demônio logo que desencarnou. 

Efetuamos os resgates necessários nessa frequência, dos aldeões e vítimas da bruxa e seu filho carrasco. A aldeia no astral foi destruída. Muitos estavam encarnados e tiveram suas mentes apagadas antes de retornar ao corpo. Essas duas últimas mulheres que o trio de canibais matou eram dois dos aldeões que incendiaram a casa da velha naquela existência. 

Assim como a velha bruxa, o carrasco tbm estava desdobrado naquela frequência, juntamente com a  noça sua irmã. Na vida atual a velha é a esposa do homem que matou as mulheres, ele era o filho carrasco dela, e a irmã dele naquela existência é agora a jovem amante que completa o trio. A criança que vivia com eles e que era filha de uma das vítimas, é o mesmo espírito que ele esquartejou e que foi o pai dele naquela existência.

Continua... Os canibais de Pernambuco Parte 2

Nenhum comentário:

Postar um comentário