quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Epidemia de dança de 1518

     Dias atrás quando entrei no Facebook me deparei com uma chamada desses sites de notícias genéricas sobre uma epidemia de dança que teria ocorrido na cidade francesa de Estrasburgo no século XVI, mais precisamente em 1518. A história me chamou a atenção e resolvi pesquisar mais na internet. Encontrei uma ótima reportagem, de 2013, no site do Terra
     Basicamente a reportagem relata que no ano de 1518, por volta do dia 14 de julho, uma mulher saiu de sua casa e começou a dançar na rua por seis dias consecutivos, em uma semana já eram 34 pessoas dançando e no final do mês seguinte, agosto, já eram mais de 400 pessoas dançando sem parar, sendo que muitas delas vieram a morrer por exaustão ou ataques cardíacos.

Gravura de Henricus Hondius sobre esboço de Pieter Brueghel,
 o Velho, que testemunhou um caso de praga de dança em 1564.
     Entre os historiadores existem algumas teorias das possíveis causas, que vão desde intoxicação alimentar por cereais contaminados, peste negra, até efeitos psicológicos, sociológicos e culturais, mas não passam de especulações, a causa real dificilmente poderia ser comprovada pela ciência, pois o fato ocorreu há 500 anos.
     Como acontece nestes casos, já sabia que tinha algo para verificarmos em nosso grupo quando a matéria me chamou a atenção, então repassei para os membros do grupo de apometria pelo whatsapp. A primeira médium que leu já foi atacada e dois espíritos já se aproximaram dela, que passou a sentir dores na cabeça e face. Outra ainda leu e já começou a vomitar, relatando que havia sonhado com esse episódio da dança durante a noite anterior.
     Mais duas médiuns entraram na conversa e a história não registrada nos livros de história se descortinou ante a visão espiritual do grupo. Um homem que casara por interesse queria que sua esposa morresse para que ele pudesse desfrutar de sua fortuna. Ele tinha conhecimento de um grupo de bruxos que vivia numa caverna e foi procurá-los para resolver o seu problema. Eram um homem e seis mulheres os componentes do tal grupo de bruxos.
     Os bruxos pediram 14 crianças com menos de dois anos de idade como pagamento pelos seus serviços, pois eles queriam carne humana macia, afinal devido à idade já estavam lhes faltando alguns dentes. Para quem acha que é mito, bruxos/as comiam sim criancinhas, bebiam seu sangue e ainda faziam outras coisas de cunho sexual.
     Fazer a mulher morrer era muito fácil, bastava ministrar-lhe algum veneno que lhe provocasse uma morte parecida com a de alguma doença conhecida, para assim não levantar suspeitas sobre o marido, mas para os bruxos poderem receber seu pagamento era necessário um pouco mais de estratégia. Assim, eles deram ao homem uma poção muito forte que ele deveria fazer com que muita gente bebesse, principalmente pais de famílias onde houvesse crianças pequenas.
     O tal homem pagou um outro para colocar a poção num poço de uma cidade próxima, Estrasburgo, e assim conseguiriam atingir muita gente. A maneira como as autoridades da cidade reagiram na verdade aumentou a proporção do evento, que não pretendia inicialmente atingir tanta gente, mas como deu muito certo, providenciaram mais poção para suprir a demanda.
     O que ocorreu nesse episódio da dança foi uma verdadeira orgia demoníaca pois a poção facilitava o desdobramento astral e a incorporação, o que foi muito bem aproveitado por uma orda de demônios, que vampirizaram as pessoas de várias formas. A dança que todos viram era manifestação mais visível, mas dentro das casas e longe dos olhos de todos, muitos mais eram vampirizados, inclusive sexualmente. Muita gente morreu mesmo pela total falta de energia e muitos deixaram filhos pequenos.
     E para onde iriam essas crianças? Para um orfanato, que era gerenciado por uma simpática velhinha. Assim ficava fácil pegar as crianças pois estavam todas juntas e a simpática velhinha na verdade era uma bruxa ligada ao grupo de bruxos da caverna. Uma curiosidade mórbida sobre essa poção é que um dos ingredientes era o tutano de ossos humanos, que era extraído com as pessoas ainda vivas.
     Quatro das médiuns do nosso grupo faziam parte daquele grupo de bruxos da caverna. A que vomitou e havia sonhado com a dança faltou na reunião que tivemos dois dias antes de eu enviar o texto porque sentia fortes dores nas costas, já há quatro dias, isso porque já havia se conectado com essa situação e na verdade foi através dela que se abriu essa frequência. Essa médium acabou encontrando na vida atual uma outra bruxa daquele grupo e isso abriu a frequência.
      A simpática velhinha do orfanato na vida atual é "pai-de-santo", mas desses que faz tudo por dinheiro e inclusive faz sacrifícios humanos em seu terreiro. Assim conseguimos resgatar muitos espíritos que foram vítimas daquele grupo de bruxos naquela vida e também que foram vítimas da velhinha na vida atual. Como costuma acontecer nesses casos, muitos espíritos ligados a esse evento, mesmo tendo se passado 500 anos, ainda estavam vivenciando aquela situação na dimensão astral. 
     A abertura da frequência não ocorreu por acaso, foi promovida pela nossa equipe espiritual para diminuir a força da bruxa do orfanato pois na vida atual, como pai-de-santo, ela já matou muita gente em rituais e nesse período de eleições muita gente contratou os serviços desse pai-de-santo, que já fez muitos "cortes" humanos. 
     A médium estava com dor nas costas porque naquela vida passada não sabia que o grupo de bruxos do qual ela participava decidiu que iriam sacrificar a filha dela naquela vida. Quando ela descobriu o processo já estava em andamento e ela, ao tentar salvar a filha, foi arremessada violentamente contra uma mesa, tendo batido com a coluna na quina do móvel. Ela estava grávida de pouco tempo mas perdeu o bebê e a própria vida. Aquele bebê que ela perdeu na vida atual é filha da outra médium, a que primeiro leu o caso quando postei no grupo e que sentiu dores na cabeça e face. A menina que naquela vida foi sacrificada, filha da médium que vomitou, na vida atual é um sobrinho dela.
     Interessante observar como nos reencontramos com outros espíritos com os quais nos relacionamos no passado na vida presente. Nos deparamos agora com um grupo de espíritos que se relacionaram há 500 anos numa cidade da França, vivendo próximos e se relacionando novamente em outro continente. E todos envolvidos com magia, as bruxas de outrora agora como médiuns trabalhando para a luz e a simpática velhinha do orfanato ainda no caminho das trevas, agora como pai-de-santo.

Gelson Celistre

     
     
     
     




Nenhum comentário:

Postar um comentário