terça-feira, 6 de novembro de 2018

Abdução voluntária

     Tratamos uma mulher que está em adiantado estado de deterioração de suas funções fisiológicas, sem condições sequer de se locomover normalmente, tendo que utilizar uma cadeira de rodas, e sem diagnóstico médico de qual doença seria a causa de sua enfermidade.



     Essa mulher pertence a um grupo até muito grande de pessoas que anseiam em encontrar um extraterrestre, tendo visitado (antes de  estar enferma) vários locais onde ocorreram supostos avistamentos e onde algumas pessoas dizem ter contato com alienígenas. Essas pessoas, em sua maioria ingênuas, acreditam que todos os extraterrestres estão aqui para auxiliar em nossa evolução. Muitos imaginam que esses ETs nos salvariam de alguma catástrofe cataclísmica, nos levando em segurança para o espaço em seus discos-voadores.
     Como já comentei em outros posts, a Terra atrai seres de vários outros planetas, por ser ainda um planeta primitivo com inúmeras formas de vida em uma dimensão material, densa, e com uma civilização ainda pouco evoluída tecnologicamente e socialmente. Somos uma espécie de zoológico onde esses seres vêm nos observar. 
     Alguns desses aliens são apenas pesquisadores, querem nos estudar sem nos causar mal, outros possuem ligação com grupos de espíritos que transmigraram para cá e se sentem responsáveis pelo que esses seres causam aqui e querem de fato nos ajudar, mas pelo que temos vistos esses dois tipos são uma minoria. Mas creio que a maioria dos alienígenas que aportam aqui estão interessados apenas em nos explorar de alguma forma. 
     Esse mulher que atendemos foi vítima de seu próprio desejo de ser abduzida. Nesses locais que ela foi os alienígenas de fato transitam, mas não como eles imaginam, na dimensão física, pois a maioria dos ETs está numa dimensão paralela, mais ou menos equivalente ao nosso plano astral. 
     Esses ETs se alimentam da nossa energia e essa mulher estava sendo mantida em desdobramento num desses locais, onde faziam ela pensar que era uma pessoa muito importante e que sua presença ali era de grande ajuda para eles. Projetavam cenas onde ela realizava trabalhos e comandava operações, estimulando o ego dela para que desejasse continuar ali. Enquanto isso eles sugavam a energia dela, o que iria provocar inevitavelmente a morte dela aqui no físico, e que provavelmente vai ocorrer em breve apesar de a termos resgatado, porque seu corpo físico já está muito debilitado.
     Além dela nossa equipe espiritual resgatou milhares de pessoas ao redor do planeta em situação semelhante, muitos já à beira da morte, ligados a diversos grupos de extraterrestres, de diferentes planetas, e todos estavam lá por vontade própria, devido ao anseio de fugir de suas vidas normais e serem abduzidos.
     Muita gente afirma não se sentir parte desse planeta, acham que são de outro orbe porque não são felizes aqui, não se adaptam, e geralmente acham que são de algum planeta melhor que esse, no fundo também se achando melhor do que os que aqui vivem, e são levados a acreditar em parte por conta de charlatões que dizem o que elas querem ouvir, que estão aqui em missão, que são especiais, e que esses aliens virão resgatá-los e os livrar de seu tormento, levando-os de volta para seu lar ancestral nas estrelas.
     Mas se você está aqui, se nasceu nesse planeta, mesmo que já tenha vivido em outros planetas, você é terráqueo. E se está aqui/agora é porque tem karma a resgatar, porque está ligado a esse planeta e tem que evoluir nele. Ninguém escapa do karma, se você quer "voltar" para algum planeta do qual já foi expulso por mau comportamento, precisa se melhorar, evoluir de fato e não apenas "se achar" melhor ou diferente.
     O futuro dessa mulher, apesar de ter convivido por anos em desdobramento com alienígenas, vai ser morrer e renascer aqui na Terra, e com sérios problemas mentais e fisiológicos em sua próxima encarnação.
     Então se você que está lendo isso também anseia em ser abduzido, pense bem, pois você pode conseguir o que deseja.

Gelson Celistre
     
     

Nenhum comentário:

Postar um comentário