sexta-feira, 21 de maio de 2010

Amor além da vida

     É muito comum a queixa de consulentes, principalmente mulheres, de que 'nada da certo' em suas vidas no que se refere a relacionamentos amorosos. Via de regra, quando este 'setor' de suas vidas não vai bem todo o resto acompanha, trabalho, estudo, etc. É comum tbm nestes casos descobrirmos que em vidas passadas estas mulheres, hoje solitárias e sem sorte no amor, no passado abusaram de sua condição feminina, onde geralmente eram belas mas inescrupulosas e interesseiras, desfazendo lares, enganando e traindo admiradores, etc.

No filme Amor Além da Vida, um marido morre e vai atrás da esposa
que  havia se suicidade numa região de sofrimento no astral inferior.

     O desejo de toda mulher romântica é encontrar um grande amor e esta consulente foi agraciada com o 'amor' de um homem, que gostava tanto dela que nem a morte conseguiu ofuscar este sentimento nele. Entretanto, nem sempre o que nós acreditamos que é 'amor' realmente é. Vejamos o que este sentimento estava ocasionando na vida dela.
     Este espírito que ela conheceu em outra vida e com o qual manteve um relacionamento afirmava que a amava e que queria protegê-la dos 'outros' que só queriam se 'aproveitar' dela. Esses 'outros' eram os namorados que ela teve aqui no plano físico nessa vida e que ele procurava influenciar para que se afastassem dela, assim como tbm a fazia se desinteressar deles. Este espírito mantinha relacionamento sexual com a consulente em desdobramento e pretendia que ela não mantivesse relações com nenhum 'outro' homem no plano físico, pois era extremamente ciumento.
     Junto da consulente tbm estava um outro espírito, um rapaz 'gay', segundo suas próprias palavras. Ele nos disse que viu ela num bar e tbm o espírito que estava junto dela (o ciumento) e que sentiu vontade de fazer 'alguma coisa' com este espírito, mas quando chegou perto dela achou melhor ficar com ela, para sentir prazer quando ela fizesse sexo com algum homem. O outro queria afastá-lo de perto dela mas não conseguia. Até aqui parecia que entre eles se estabelecia uma relação casual, um encontro acidental.
     Entretanto, como o rapaz 'gay' alegava não ter nenhuma relação com a moça e ele realmente acreditava nisso, resolvemos investigar seu passado. Fiz ele lembrar de como morrera e ele viu que se enforcara. Nesse ínterim, eu conversava com o 'ciumento' incorporado em outra médium e de repente o rapaz disse que viu um pé chutando a cadeira onde ele teria subido para se enforcar.
     Nesse momento o ciumento lembrou tbm da sua vida passada e que foi ela quem matou o rapaz, simulando um suicídio por enforcamento para não ser descoberto. O motivo: ciúmes do rapaz com sua noiva (a consulente). Naquela vida o rapaz, que afirmou que já era gay, era muito amigo da consulente e o ciumento o matou por conta disso, Tbm descobrimos que ele induziu uma pessoa a matar outra para afastá-la de sua noiva. O ciúme que ele tinha era doentio.
     Logo que 'despachamos' o rapaz gay, que aceitou receber auxílio depois que soube do ocorrido em seu próprio passado, um ser se apresentou e disse que era encarregado de 'cuidar dos dois', pois sem saber eles 'trabalhavam' para um outro ser, um mago muito 'poderoso' e cruel. Este ser estava tão amedrontado que falava sussurrando temendo que 'alguém' o escutasse. Ele tinha ouvido a conversa que eu tive com os rapazes e viu que eles foram auxiliados pelas pessoas 'de branco' e ele tbm queria ajuda.
     Prometi a ele que o ajudaríamos e o encaminhei para a equipe espiritual, mas antes pedi que ele lembrasse do tal ser 'poderoso', para através da mente dele, captarmos a frequência do mago, que 'puxamos' facilmente e incorporamos numa das médiuns.
     O tal mago era 'forte' mesmo, ciente de sua condição e, pra variar, um antigo conhecido nosso de vidas passadas, da época em que trilhávamos o caminho das trevas. Ele está sem reencarnar há uns 600 anos. Foi logo perguntando se eu já tinha recomposto uma parte do corpo que havia perdido (uma mão) e me chamando de covarde por eu ter 'mudado de lado'. Enquanto eu conversava com ele, outras médiuns já estavam localizando suas bases e resgatando os seres que estavam lá escravizados.
     Foi mostrado a uma das médiuns que em sua última existência, para provar que estava apto a ingressar na organização do mal a que se filiara, e da qual eu tbm fazia parte, foi exigido que ele demonstrasse que não tinha nenhum apego a nenhuma pessoa, que não tinha amor por ninguém.
     O sacrificio exigido foi que ele matasse sua própria família, mulher e filhos, os esquartejasse e depois queimasse seus corpos, coisa que ele fez. Tbm foi mostrado que ele amava muito uma das filhas que ele matou e este espírito foi trazido para tentar dissuadi-lo de continuar no caminho do mal. Ele se mostrava reticente, afirmava que 'iria até o fim'.
     Ele era muito arrogante e senhor de si e por várias vezes falou que não iria 'mudar' e que sabia o que eu ia fazer (apagar sua mente) e me instigava a fazê-lo. Apesar dele lutar contra e de afirmar veementemente que não se arrependera de nada do que fizera, já brotara em seu coração a semente do arrependimento, principalmente por conta dessa filha que ele matou.
     Seria desperdício de tempo tentar alguma doutrinação 'apométrica' com um mago do quilate desse nosso amigo, que está há séculos sem reencarnar, e que tem conhecimento. Nesses casos o que se pode fazer é tentar lhe tocar o coração ou quebrar seu padrão mental, que foi o que fizemos, deixando-o transtornado com nossas palavras e observações.
     Ao perder o controle emocional ele enfraquece mentalmente e  fica mais fácil de iniciar um tratamento visando recuperá-lo. A presença do espírito da filha juntamente com nossas palavras, o abalaram e nossa equipe espiritual então o retirou e levou para tratamento.
     Ainda descobrimos que o interesse dele pela consulente era em função de que no passado ela fora tbm maga e que roubara o segredo de um poderoso feitiço de um livro de magia, e que ele queria de volta. Já tinha conseguido pq através daqueles dois espiritos que ele colocou junto dela (o ciumento e o gay) ele conseguia acesso a ela em desdobramento. É um expediente comum dos seres trevosos criar uma rede de espíritos com os quais temos alguma afinidade ou ligação cármica para poderem nos influenciar ou acessar determinadas frequências de vidas passadas nossas.


Gelson Celistre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário