terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

A mineração no Congo

      Na reunião da semana passada uma das médiuns do nosso grupo relatou que dois dias antes da reunião ela acordou de madrugada, sem sono, e resolver assistir televisão. Ela tem TV a cabo e acabou vendo um documentário no canal da TV francesa, canal que ela não costuma assistir, Ela sintonizou no canal bem no hora em que estava começando o documentário, que era sobre como são feitos os aparelhos celulares, e resolveu assistir. Entre incursões na China mostrando o trabalho escravo de crianças e adolescentes e um lago com água radioativa, um dos locais onde foi feita a reportagem foi a República Democrática do Congo.
     Mas o que impressionou nossa médium foram as imagens gravadas com uma câmera oculta mostrando a mineração em condições subumanas onde crianças trabalham praticamente em regime de escravidão. Os acidentes são comuns e os túneis precários e sem segurança nenhuma ao desabarem já servem de túmulo para os operários, pois eles nem se dão ao trabalho de retirar os corpos.  Logo depois que passou essa parte sobre a mineração no Congo no documentário o sono da médium apareceu e ela voltou a dormir.
    Um dos principais minérios extraídos nas minas do Congo é o tântalo, muito usado em capacitores eletrônicos de equipamentos de informática e principalmente em telefones celulares, mas o país também tem depósitos de ouro, diamantes, ferro e urânio,  Devido ao baixo custo de produção o minério do Congo chega a ser 50% mais barato que o de outros fornecedores e por isso todas as companhias que fabricam celulares compram deles. O país vive em guerra civil há cerca de 20 anos e estima-se que em torno de 6 milhões de pessoas morreram ou desapareceram no conflito neste período, fora os 4,5 milhões que morreram de fome. Essa guerra é financiada principalmente pela atividade de mineração.
     Oficialmente foram traficados uns 12 milhões de negros africanos para o mundo todo durante o período da escravatura mas uma estimativa mais realista aponta algo em torno de 200 milhões. Pelos números podemos deduzir que muitos milhões ainda vão morrer nesse processo kármico.

Crianças de 11 anos trabalham na extração de minério no Congo
        Ao relatar ao grupo sobre o ocorrido e em como ela ficou impressionada com a questão da mineração no Congo, resolvemos investigar o caso. Ao sintonizarmos com a situação  surgiram cenas ocorridas há muitos séculos naquela região.
     Os médiuns começaram a ver os negros sendo caçados por outros negros de tribos rivais para serem vendidos aos brancos como escravos. Esses que caçavam os outros eram muito cruéis e um dos castigos que costumavam infligir era colocar os capturados que davam muito trabalho ou que tentavam fugir em pequenos buracos, estreitos e compridos, onde a pessoa ficava em pé no buraco, mas sem conseguir quase se mexer; era praticamente como se fossem enterrados em pé. Os que sofriam este castigo defecavam e urinavam em si mesmos e muitos ficavam enterrados vivos no buraco até morrer.
     A Lei do Karma é implacável e os negros que outrora caçavam e vendiam seus semelhantes hoje vivem miseravelmente, são tratados como mercadoria e morrem do mesmo jeito que matavam os outros, ou soterrado numa mina ou de inanição, abandono ou doenças, tal qual os negros que foram escravizados. Se esses espíritos no decorrer de suas outras existências tivessem evoluído espiritualmente o resgate cármico dessas ações poderia ser diferente, mas como não houve melhora significativa o resgate é na base do olho por olho. O fato dos espíritos que foram escravizados e os escravizadores terem reencarnado na mesma região geográfica e os sentimentos de ambos não terem se modificado, apenas se revezando entre numa vida ser o algoz e em outra a vítima, mas com o mesmo sentimento de ódio, tem como consequência visível os conflitos em que o país vive atualmente;
     A médium que viu o documentário em uma de suas vidas passadas foi uma negra caçada e como tentou fugir foi colocada num desses buracos como castigo. Encontramos e resgatamos no astral uma grande quantidade de espíritos dos negros envolvidos nessa situação, tanto dos que morreram por conta dos maus tratos e castigos quanto dos caçadores, bem como dos que pereceram nos navios negreiros onde eram transportados.
     Descobrimos que esta frequência foi aberta por uma mãe-de-santo de um terreiro com o qual já nos deparamos em alguns atendimentos para que provocasse atrito entre os médiuns e o dirigente do grupo, que sou eu, devido ao seguinte fato: em uma vida passada eu tive contato com esta situação pois fui capitão de um navio pirata e trafiquei escravos negros. Vimos que além da médium que viu o documentário outro médium do grupo foi um escravo negro que teve contato comigo naquela vida e ao se abrir a frequência ele foi desdobrado e atraído para ela, onde formou um tipo de grupo de "resistência" dos negros e pretendiam atacar seus agressores, que para eles eram além dos outros negros que os caçavam, o pirata que os traficava, ou seja, eu.
     A ideia da mãe-de-santo era sintonizar os médiuns com aquela vida passada para que os sentimentos de ódio que eles tinham fossem direcionados a mim, por eu representar o inimigo que os escravizava e assim provocar antipatias e brigas entre nós do grupo, para que os médiuns deixassem de trabalhar e o grupo se desfizesse. Mas como sempre ocorre nestes casos o que era para ser um problema acaba se tornando uma oportunidade de evolução, pois pudemos resgatar muitos espíritos em sofrimento.
   
     Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário