segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Síndrome do pânico

     O consulente relata o seguinte: " uns 4 anos atras  tive crises de pânico (falta de ar, parecia que ia morrer, crise horrível!) fui diagnosticado com síndrome do panico e depressão, fiquei quase um ano afastado do serviço, tomando medicamentos como Ansitec, rivotril, ... tive uma melhora significativa e voltei a trabalhar, trabalhei por quase 3 Anos, atualmente estou a ... meses desempregado, ja fui em diversas entrevistas de emprego e me saboto nas entrevista acabo falando coisas que nem acredito que falei. ... aprendi controlar o inicio da síndrome do pânico, quando adormece um braço e formiga o pescoço, sei que é uma possível crise,  noivei com ... a  a qual mal conhecia nos encontramos e foi como amor a primeira vista!!, todos acharam estranho no inicio, mas nos dávamos muito bem, ainda nos damos bem, mas parace que algo mudou, algo está  pesado no relacionamento, (pelo menos eu acho) ela é um amor de pessoa."


      A síndrome do pânico do consulente estava sendo causada por uma série de fatores que tem a ver com o karma que ele está resgatando na vida atual. Uma influência forte na síndrome do consulente era devido à proximidade de um espírito de uma menina que em vida passada foi filha dele e dessa sua noiva da vida atual. Naquela vida passada ele era a mulher e a noiva era o homem, e o casal tinha uma filha. Acontece que o homem (a noiva hoje) era psicopata e quando essa filha tinha cerca de 6 anos a prendeu num sótão e a estuprava frequentemente. A esposa (o consulente hoje) sabia e era conivente. O espírito da menina estava junto do consulente e ele estava sentindo o que ela sentia presa no tal sótão sempre na expectativa de quando seu pai iria entrar e estuprá-la. 
     A tal menina acabou morrendo vítima desses estupros, um dos quais resultou numa gravidez. A criança quando nasceu foi morta de maneira cruel. Essa criança que foi morta e que nasceu de um dos estupros, na vida atual era padrinho do consulente, e frequentava terreiros de religião africana. Esse padrinho já morreu na vida atual e casualmente foi o consulente quem o levou para o hospital na ocasião de sua morte. Esse padrinho não aceitou bem a morte e estava acompanhando o consulente. Também fez um acordo com seres ligados ao terreiro onde frequentava, para que eles retirassem o espírito do consulente do corpo e ele "assumisse" o posto, vivendo no corpo do consulente. Retiramos o tal padrinho e prendemos os seres do tal terreiro.
      Em outra vida o consulente vivia numa aldeia indígena e junto com outro índio matava crianças em oferenda a um deus qualquer com o objetivo de ficarem fortes. Uma de suas vítimas naquela vida, que era filha do chefe da aldeia, é a atual noiva do consulente. Naquela vida o consulente e seu amigo foram induzidos a acreditar que se matassem a aldeia toda e se entregassem em holocausto a esse deus a quem seguiam, renasceriam muito poderosos. Eles incendiaram a aldeia causando a morte de todos que viviam nela. Grande parte desses espíritos estavam ligados ao consulente, em sofrimento, e também o ser asqueroso que acreditavam ser um deus. O amigo do consulente daquela vida estava junto do consulente também o induzindo a matar a noiva, o que lhe causava angústia pois agora ele não quer matá-la. As vítimas foram resgatadas e o ser foi preso.
       Em outra existência ele estava doente e para prolongar sua vida, procurou um bando de ciganos e para fazer uma "troca de vida", um ritual comum ainda hoje nos terreiros de macumba, onde sacrificam uma vida por outra. Algumas pessoas matam um bicho, galinha, bode ou boi, mas muitos sacrificam pessoas (hoje em dia isso ainda acontece). Naquela vida o consulente levou seu irmão junto sem ele saber que seria sacrificado. Quando enfiaram a adaga no coração dele, no momento da morte, o irmão jurou vingança. Na vida atual eles são irmãos novamente e no astral a frequência estava aberta com o irmão o atacando tentando se vingar.
      Em outra vida o consulente morava no interior, filho de pais com posses, e foi mandado para estudar na "cidade grande". Mas ao invés de estudar ele pegou o dinheiro que os pais mandavam e montou um bordel. Era muito cruel com as meninas e quando uma delas engravidava por acidente ele a torturava até a criança nascer, isso quando não abortavam. De qualquer modo tanto os que acabavam sendo abortados quanto os que nasciam, eram todos vendidos a cinco bruxas que os usavam para magia negra e rituais. Alguns dos bebes que nasciam e eram meninas ele deixava se criar por ali para crescerem e trabalharem no bordel. Além disso tudo, antes de sair do interior ele tinha "desonrado" uma moça que acabou engravidando e cujos pais acabaram matando de pancada por conta dessa "desonra" para a família. Essa moça na vida atual é a noiva do consulente.
     Em uma vida mais recente o consulente foi nazista durante a Segunda Guerra Mundial e era responsável por uma fábrica de rações para os soldados. Quando as coisas começaram a escassear na Alemanha eles começaram a usar carne de crianças prisioneiras de campos de concentração para fazer as rações dos soldados. Encontramos o local no astral ainda ativo e foi um resgate muito grande de espíritos.
      Como podemos ver pelas frequências abertas e espíritos ligados ao consulente, o karma que ele está começando a resgatar é bem pesado e os espíritos próximos a ele tem fortes ligações de outras vidas, principalmente com a noiva. São muitas emoções contraditórias, energias positivas e negativas se confrontando no inconsciente, e administrar essa pressão faz parte do karma do consulente.
     Já tratamos vários casos de síndrome do pânico e sempre encontramos essas situações, frequências de vidas passadas e obsessões complexas. Percebemos que a medicação alopática receitada por psiquiatras geralmente não cura, apenas entorpece a mente da pessoa, deixando ela mais calma, mas não trata as causas e no astral geralmente piora a situação pois facilita o desdobramento da pessoa, o que acaba energizando essas frequências e potencializando situações de obsessão pois desdobrada a pessoa é vampirizada mais facilmente.
     Provavelmente a síndrome do pânico do consulente vai desaparecer, talvez não completamente devido ao karma pesado que ele está resgatando, pois é provável que ele abra outras frequências com situações semelhantes. Para piorar a situação, vimos que o formigamento que ele sente no braço e pescoço é quando um espírito tenta incorporar nele, pois possui mediunidade de incorporação, fruto de suas ações de vidas passadas.
      

     Gelson Celistre 
    

Nenhum comentário:

Postar um comentário